Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
12:30 Fala Deputado
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
04/07/2018 - 12h25min

LDO 2019 recebe emenda visando restringir renúncia fiscal praticada pelo governo

Imprimir Enviar
Emenda visando estabelecer um teto para as renúncias fiscais praticadas pelo governo foi destaque da Comissão
FOTO: Eduardo G. de Oliveira/Agência AL

A reunião da Comissão de Finanças e Tributação da manhã desta quarta-feira (4) teve como destaque a apresentação do parecer conclusivo ao PL 97/2018, de autoria do governo do Estado, que trata da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o exercício financeiro de 2019. 

O deputado Marcos Vieira (PSDB), relator do texto, acatou um total de 29 emendas, das quais 14 de origem parlamentar (11 ao anexo de metas e prioridades da administração pública e 3 ao texto), 13 de autoria própria e duas encaminhadas pelo Poder Executivo.

Entre as emendas acatadas, estão a manutenção dos percentuais orçamentários dos Poderes públicos e a garantia de acesso da Alesc ao Sistema Integrado de Planejamento e Gestão Fiscal do Estado de Santa Catarina (Sigef).

Um dos pontos que mais chamaram a atenção dos parlamentares no relatório, entretanto, foi a inclusão de uma emenda visando estabelecer um teto para as renúncias fiscais praticadas pelo governo em 16% da arrecadação bruta dos tributos estaduais ICMS, IPVA E ITCMD, a ser atingido em um período de quatro anos, a contar do início do exercício financeiro de 2019.

“No anexo 7º do PL 97/2018, o governo afirma que temos atualmente uma renúncia de cerca R$ 6 bilhões, dentro de um orçamento de R$ 26 bilhões, algo que deputados estão entendendo como muito alto. Estamos, portanto, partindo para esta opção de, a cada ano, ir diminuindo gradativamente essas concessões para que ao final dos próximos quatro anos possamos ter em caixa, fazendo parte do orçamento, cerca de R$ 1,6 bilhão, dinheiro que, naturalmente, será aplicado nas obras mais importantes do governo, como na educação e na saúde”, disse Vieira.

A inclusão da emenda, de autoria do relator, foi comemorada pela deputada Luciane Carminatti (PT), que há algum tempo tem procurado levar a questão das renúncias fiscais ao debate na Comissão de Finanças. “Acho que é com muita coragem que estamos finalmente começando a discutir essa questão, que, claro, ainda vai depender de uma regulamentação para ser efetivada. Mas precisamos levar estes debates adiante, até porque, entre renúncias e dívida ativa, chegamos a 38% de um orçamento que já é extremamente enxuto.”

Ao final da apresentação, Vieira concedeu aos demais deputados vista coletiva do parecer, que deve ser votado na próxima terça-feira, dia 10, às 11 horas, em uma reunião extraordinária do colegiado.

 

Organização básica dos bombeiros militares

Por unanimidade de votos, foi aprovado o Projeto de Lei Complementar (PLC) 21/2018, do governo do Estado, que estabelece uma legislação para disciplinar a organização básica do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC).

Estruturada em 52 artigos, a proposta trata das atribuições dos bombeiros militares, da estrutura administrativa da corporação, com a definição dos órgãos de direção, de apoio e de execução, e estabelece a competência de cada um desses órgãos.

Na justificativa do projeto, o secretário de Estado da Segurança Pública, Alceu de Oliveira Pinto Júnior, explica que a legislação para organização básica é uma exigência prevista no Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Estadual de 1989. O parágrafo segundo do artigo 53 “estabelece que a legislação que abordar assuntos como lei de organização básica, dentre outros, será específica e aplicável a cada corporação”.

Conforme a justificativa, a lei sobre organização básica não implica na criação de novos cargos, nem vai gerar despesas para os cofres do Estado, pois tais questões são regidas por outra legislação, a Lei Complementar 582/2013. Além disso, conforme o secretário, a maior parte dos pontos previstos no PLC 21/2018 já foi implantada com base na legislação que rege a organização básica da Polícia Militar, aprovada em 1983.

Em seus votos, os membros do colegiado seguiram o parecer favorável apresentado pelo deputado Marcos Vieira. “Examinei toda a documentação acostada ao projeto, no sentido de atender aos preceitos da Lei de Responsabilidade Fiscal e não encontrei qualquer óbice que atrapalhe a sua regular tramitação”, disse o relator.

O texto segue em análise na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público.

 

Audiência pública

Ao final, foi aprovado requerimento de Marcos Vieira para a realização de audiência pública em Dionísio Cerqueira, no dia 3 de agosto, para tratar da instalação de free shops no município. De acordo com o parlamentar, o evento pretende debater a recente regulamentação realizada pelo governo federal ao comércio em regiões fronteiriças.

Alexandre Back
Agência AL

Voltar