Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
00:15 Sessões - Seminários - Eventos
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
27/05/2019 - 17h23min

Frente Parlamentar contra a Corrupção começa nesta terça (28)

Imprimir Enviar
Deputado Jessé Lopes
FOTO: Fábio Queiroz/Agência AL

O deputado Jessé Lopes (PSL) apresenta, nesta terça-feira (28), a Frente Parlamentar Contra a Corrupção, que traz em sua inauguração a palestra da advogada Anna Carolina Lamy, doutoranda pela Universidade Federal do Paraná. A palestrante irá falar sobre o tema: Compliance na administração pública. O evento acontecerá no Plenarinho da Alesc, a partir das 17h30.

O objetivo da iniciativa parlamentar é dar uma resposta a um anseio popular no combate à corrupção na política. Baseada na percepção de um amadurecimento político da sociedade brasileira e catarinense a respeito do tema, a Frente Parlamentar que traz um tema sensível aos brasileiros.

Jessé Lopes enfatiza que o compromisso dos políticos com a gestão do dinheiro público sempre foi uma das suas principais preocupações. “Eu vim para Alesc para atender às demandas do eleitor que está de saco cheio dos antigos políticos, do descaso com o dinheiro público e da corrupção. Vim pra dar uma resposta, representar aqueles que me elegeram. E combater a corrupção é uma delas. A frente parlamentar veio como uma forma de dar essa resposta. É uma forma de ajudar e virar referência do tema na Assembléia Legislativa”, explica o deputado.

Nas últimas décadas, a sociedade brasileira teve graves experiências que a fizeram acordar para o problema da corrupção. Embora endêmica, o tema nunca esteve tão visível e, até certo ponto, justificado por sistemas político-culturais subversivos que terminam por corromper a sociedade.

Essa percepção reflete o ranking elaborado pela organização Transparência Internacional, que classifica 180 países com base na corrupção do setor público pela percepção de executivos, investidores, acadêmicos e estudiosos da área da transparência. Entre 2014 e 2018, o Brasil desceu da 69ª (sexagésima nona) para a 105ª (centésima quinta) posição. A mesma percepção se verifica no Índice de Liberdade Econômica, em que o Brasil fica na 150ª (centésima quinquagésima) posição entre 180 países, qualificando-o como majoritariamente não livre por possuir problemas
graves em eixos norteadores como o Estado de Direito, Tamanho do Governo e Eficiência Regulatória, por exemplo.

Todo esse quadro gerou uma forte sensação de impunidade, que vem sendo compartilhada por toda a sociedade e varreu as ruas desde as manifestações de 2013, gerando uma salutar e crescente tomada de consciência. Do mesmo jeito, o Brasil tem visto o surgimento de uma nova conjuntura política advinda dessa transformação, além do resgate da consciência nacional, do patriotismo e da defesa das liberdades e da democracia.

Acompanhe Jessé Lopes


Jessé Lopes
Voltar