Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Whatsapp Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
18:00 Memória da Imprensa
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
01/07/2020 - 18h03min

Projeto autoriza visita de animais de estimação a pacientes em hospitais

Imprimir Enviar
Deputada Marlene Fengler
FOTO: Fábio Queiroz/Agência AL

O ingresso de animais domésticos e de estimação em todos os hospitais de Santa Catarina terá amparo legal. A visita dos bichinhos a pacientes internados está prevista no Projeto de Lei 355/2019 de autoria da deputada Marlene Fengler (PSD), aprovado na sessão desta quarta-feira (1º) em plenário, com apenas dois votos contrários dos deputados Bruno Souza (Novo) e Jessé Lopes (PSL). O texto prevê que haja definição de critérios técnicos pelos estabelecimentos que aderirem à norma e que a visita somente poderá ocorrer por período pré-determinado e sob condições prévias. A iniciativa ainda será votada em segundo turno antes de ser encaminhada para sanção do governo do Estado e, mesmo após isso, deverá ser adotada somente após a normalização da condição sanitária no estado.

Ao apresentar o projeto em novembro do ano passado, Marlene destacou que há estudos e pesquisas que comprovam cientificamente que o uso de animais na terapia melhora a autoestima de pacientes internados e ajuda no tratamento de doenças. Pela norma debatida e aprovada nas comissões de Constituição e Justiça, de Saúde e de Turismo e Meio Ambiente serão considerados animais domésticos e de estimação todos os que possam estar em contato com as pessoas sem riscos de atacá-las, além dos utilizados na Terapia Assistida de Animais (TAA) como cães, gatos, pássaros, coelhos, chinchilas, tartarugas e hamsters. A autorização para outros bichos dependerá de avaliação técnica.

O texto também prevê que a visitação a pacientes internados deverá ser agendada junto à administração do hospital, respeitando os critérios estabelecidos pelas instituições. Setores como alas de isolamento, de quimioterapia e de transplantes, por exemplo, assim como UTIs, não poderão ser acessados. O ingresso também poderá ser impedido em casos especiais ou por determinação de comissões de controle de infecções hospitalares.

Marlene ressalta que o texto segue as recomendações estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde, como verificação da espécie animal, autorização de acesso expedida pelo médico do paciente internado, apresentação de laudo veterinário atestando as boas condições de saúde e de higiene do animal, entre outros critérios. "Há muitos estudos no Brasil e fora do país comprovando que o uso do animal na terapia pode ser muito benéfico para o paciente internado, principalmente para as crianças. A presença do bichinho de estimação tende a diminuir a tensão e o estresse a que os pacientes estão submetidos no ambiente hospitalar. Há estudos que mostram, inclusive, que a presença de animais diminui o tempo de internação, e interferem, inclusive, no humor das equipes de enfermagem e médica", destaca a parlamentar. 

A deputada observa que a pet terapia, como também é conhecida a iniciativa, já vem sendo usada no Brasil há algumas décadas e mesmo instituições conceituadas, como os hospitais Albert Einstein, Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas e Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, de São Paulo, já adotaram a medida e comprovam seus bons resultados terapêuticos.  A zooterapia, linha terapêutica que se utiliza de animais para ajudar no convívio e recuperação das pessoas, trata desde os problemas físicos, a emocionais e psicológicos. Os especialistas explicam que quando em contato com os bichos, o ser humano ativa o sistema límbico, responsável pelas emoções mais instintivas. Ocorre assim a liberação de endorfinas, gerando a sensação de tranquilidade, bem-estar, melhora da autoestima, entre outros. Um estudo de 1980 realizado na Universidade da Pensilvânia apontou que os donos de animais de estimação que foram hospitalizados com problemas cardíacos mostraram um ano mais tarde uma taxa de sobrevivência maior do que o grupo sem animais.

O texto aprovado hoje diz que a autorização será exigida apenas para a primeira visita, devendo ser renovada sempre que houver alguma alteração no quadro de saúde do paciente internado. Além disso, os hospitais poderão fazer convênios com profissionais habilitados, hospitais veterinários, ONGs e outros estabelecimentos para cumprir os requisitos da lei.  

 

Rossani Thomas
Assessoria de Imprensa Dep. Marlene Fengler
Assembleia Legislativa de Santa Catarina
Fone: (48) 3221 2692 / (48) 9 9963 3236
rossanithomass@gmail.com

Acompanhe Marlene Fengler


Marlene Fengler
Voltar