Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
00:15 Sessão Ordinária
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
29/06/2018 - 16h03min

Governo alega ser impraticável executar emendas impositivas

Imprimir Enviar

Preocupado com a efetiva implementação das emendas apresentadas pelos parlamentares estaduais ao Orçamento do Estado, o deputado João Amin (PP) encaminhou Pedido de Informação ao Poder Executivo questionando a execução das mesmas. Em resposta, a Secretaria de Estado da Casa Civil e a Secretaria de Estado da Fazenda afirmam ser impraticável tal iniciativa em virtude da atual crise econômica brasileira.

Em 2017, a Assembleia Legislativa aprovou Proposta de Emenda à Constituição que torna obrigatória a execução de emendas apresentadas pelos parlamentares ao Orçamento do Estado, a qual restou promulgada. A PEC definiu que fica destinada parte da Receita Corrente Líquida (RCL) do Estado para o atendimento de emendas parlamentares. O percentual reservado pode variar de 0,0225% a 1% da RCL. O Executivo deve, obrigatoriamente, reservar essa receita, todos os anos, para atender as emendas elaboradas pelos deputados estaduais.

Oportunamente, os parlamentares realizaram amplo levantamento nos municípios e apresentaram suas emendas. Apesar disso, segundo a Comunicação Interna nº 66/2018 anexada ao Pedido de Informação, "não foram executadas ações resultantes das indicações parlamentares constantes do Demonstrativo das Emendas Parlamentares, sendo que, caso tenham sido ofertados à sociedade, este adveio da execução do programa de trabalho do órgão ofertante, não guardando relação com as propostas parlamentares".

Em sua justificativa, o Poder Executivo destaca "a impossibilidade de disponibilização de 1% da Receita Corrente Líquida (RLC) para financiar emendas impositivas diante da atual crise econômica brasileira, pois a RCL do Estado não obteve crescimento real desde 2014".

Para o deputado João Amin é necessário uma melhor avaliação. "A Assembleia Legislativa aprovou a PEC e sua promulgação torna a iniciativa obrigatória. É preciso que o Poder Executivo entenda que os municípios catarinenses não podem ficar reféns da conjuntura econômica. Melhor seria o corte de custos de aparelhos que pouco trazem de efetivo para a administração pública, como é o caso das Agências de Desenvolvimento Regional".

 

Gabinete Deputado Estadual João Amin
Rodrigo Viegas
Assessoria de Comunicação - 9973 1314
Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina
Palácio Barriga Verde (109) - Rua Doutor Jorge Luz Fontes, 310
CEP: 88020-900 - Florianópolis - Santa Catarina
Fone: (48) 3221 2745

Acompanhe João Amin


João Amin
Voltar