Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Serviço temporariamente em manutenção.
Acompanhe a programação da TVAL pelo Youtube.


Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
07/10/2021 - 16h31min

Datas sobre o aleitamento materno são tema de PL aprovado na Alesc

Imprimir Enviar
Deputado João Amin

Foi aprovado na Alesc o Projeto de Lei (PL 164/2021) do deputado João Amin (PP) que institui o Dia Estadual de Proteção do Aleitamento Materno, 21 de maio, e modifica a data de realização da Semana do Aleitamento Materno, que passa da segunda semana de maio para a semana entre 1 e 7 de agosto.

De acordo com o parlamentar, a alteração visa agrupar o evento com a Semana Mundial de Aleitamento Materno, instituída pela Rede Internacional em Defesa do Direito de Amamentar. Já o 21 de maio remete à mesma data do Dia Mundial de Proteção do Aleitamento Materno. “O essencial é que essas datas chamem a atenção para a importância da amamentação para a saúde das crianças”, afirmou Amin.

A Semana Mundial de Aleitamento Materno promove o debate e a conscientização sobre os benefícios da amamentação e a importância da rede de apoio para que o aleitamento se estabeleça e continue até 2 anos de idade ou mais.

Lactantes
Em junho deste ano, enaltecendo a importância da amamentação, foi sancionado em Santa Catarina o Projeto de Lei do deputado João Amin que colocou as lactantes como grupo prioritário para a vacinação contra Covid-19. A iniciativa garantiu ao grupo celeridade na imunização.

Na ocasião, o parlamentar destacou que não existe nenhuma forma de defender crianças menores de dois anos contra o coronavírus, exceto por isolamento social e anticorpos transmitidos pelo aleitamento materno. Amin lembrou comunicado da Anvisa que não recomenda máscaras para crianças menores de dois anos, devido ao risco de sufocamento.

Acompanhe João Amin


João Amin
Voltar