Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
11:30 Palavra Aberta
Ouvir
09:00 Sessão Ordinária

Sala de Imprensa

+ Mais notícias

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
19/04/2017 - 17h14min

Início das aulas do ensino médio noturno meia hora mais cedo surpreende deputados

Imprimir Enviar

FOTO: Miriam Zomer/Agência AL

A determinação via ofício da Secretaria Estadual de Educação (SED) para que as aulas do ensino médio noturno comecem meia hora mais cedo, às 18h30, surpreendeu os deputados. “Confesso que ficamos surpresos e impactados ouvindo diretamente dos professores e alunos. Quem estuda à noite é porque precisa trabalhar durante o dia e a mudança inviabiliza a continuidade do ensino médio noturno”, criticou Valdir Cobalchini (PMDB) durante a sessão desta quarta-feira (19) da Assembleia Legislativa.

Luciane Carminatti (PT) contou que a decisão deriva da impossibilidade legal de pagar adicional noturno. “Segundo o ofício circular, o ensino noturno está interrompido às 22 horas, a SED adotou esta medida arbitrária por causa do adicional noturno de meia hora, mas só os professores que dão aulas neste horário têm direito”, ponderou a deputada.

Carminatti fez um apelo para que o Executivo envie ao Legislativo projeto de lei para regularizar a situação. “Se não há previsão legal de meia hora é porque o Executivo não enviou para a casa um projeto que corrija a distorção. Se mandar amanhã, vamos agilizar e aprovar”, informou Carminatti. Cobalchini concordou. “Se o problema é legal, então é de fácil solução”, afirmou o representante de Caçador.

Corpo de bombeiros sem pessoal
Luciane Carminatti cobrou do Executivo o aumento do efetivo das unidades do Corpo de Bombeiros Militar de Chapecó e Xanxerê, respectivamente, em 69 e 24 profissionais. “Na região de Xanxerê são 21 municípios sem bombeiros. A situação é tão grave que segunda-feira houve um incêndio em Faxinal dos Guedes, e como a sede do município está fechada, os bombeiros tiveram de se deslocar de Xanxerê e Ponte Serrada”, relatou a deputada, que lamentou a ocorrência de uma morte.

Delação da Odebrecht
Fernando Coruja (PMDB) cobrou explicações do governador Raimundo Colombo, citado nas delações de executivos da Odebrecht como beneficiário de doações via caixa dois. “O governador precisa se explicar, aqui não tem condenação, mas é necessário que se explique, deu uma entrevista em Brasília, um local inadequado, mas a explicação é jurídica, conselho de advogado, com palavras milimétricas. 'Não solicitei caixa dois, talvez tenha recebido, mas não solicitei', isso serve para proteger o patrimônio pessoal, o direito de ir e vir, mas é evidente que é preciso uma explicação política”, discursou Coruja.

O deputado reconheceu que a prática de caixa dois é antiga. “Os fatos relatados talvez sejam conhecidos há muito tempo, são como poeira embaixo dos móveis, ninguém levanta ou arreda o móvel, mas todo mundo sabe dessa relação histórica entre empresas e poder público”, finalizou Coruja. Mauricio Eskudlark (PR) também pediu explicações. “Os fatos precisam ser esclarecidos, é importante esta prestação de contas à Justiça e à sociedade”, avaliou o deputado.

Aposentadoria policial
Eskudlark comemorou o recuo do relator da reforma da previdência no caso da aposentadoria dos policias. “O relator está revendo alguns pontos, como a redução da idade para aposentadoria policial, porque o policial tem média de vida mais baixa pelos riscos que enfrenta, com mortes violentas e uma profissão estressante”, justificou o deputado, que destacou papel importante do Sinpol na negociação em Brasília.

Hospital Universitário de Chapecó
Altair Silva (PP) relatou na tribuna viagem que fez a Brasília para tratar da conversão do Hospital Regional Lenoir Vargas Ferreira, de Chapecó, em hospital universitário. “Estamos articulando para que o Hospital Regional de Chapecó venha a ser reconhecido como hospital universitário, para que os formandos de medicina da Unochapecó e da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) possam fazer residência médica e especializações”, explicou.

Marina Tedesco
Valdir Cobalchini destacou a iniciativa do empresário Julio Tedesco de construir uma marina em Balneário Camboriú com capacidade para receber transatlânticos. “A família Tedesco é de empreendedores, o avô do Julio, Primo Tedesco, foi o primeiro a gerar energia elétrica no Vale do Rio do Peixe e o primeiro a produzir celulose”, lembrou Cobalchini.

A deputada Ana Paula Lima (PT), aniversariante do dia, também elogiou o empreendimento. Antonio Aguiar (PMDB) argumentou que Julio Tedesco mostrou a pujança do litoral barriga-verde e inteligência para gerar empregos.

Fila do SUS na internet
Serafim Venzon (PSDB) afirmou que a publicação dos dados das filas do SUS na internet está próxima de ser implantada pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). “Vamos conseguir ver como está andando a fila, como está sendo atendida, esta publicação vai gerar um compromisso”, afirmou Venzon.

Impeachment de Dilma Rousseff
Luciane Carminatti lembrou a passagem de um ano do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. “Boa parte daqueles que nos envergonharam perante o mundo votando sim, sim, pela família, pela esposa, gato, cachorro, estão envolvidos em escândalos de corrupção. “Cunha foi condenado a 15 anos; Aécio acusado de receber mais de R$ 50 milhões; Romero Jucá, que ia estancar a sangria da Lava Jato; Bruno Araújo é um dos oito ministros do Temer denunciados no STF; o golpe era contra o trabalhador e não meramente a retirada da presidente”, lamentou Carminatti.

Dirceu Dresch (PT) também recordou o dia 17 de abril de 2016. “Este dia marca uma das cenas mais absurdas da política brasileira, um Congresso de corruptos que debochavam da moral do povo, um conluio por parte da maioria dos deputados federais, um golpe parlamentar”, garantiu Dresch, que exibiu na tribuna o vídeo em que o presidente Michel Temer confessou que o impeachment de Dilma somente ocorreu por retaliação do ex-deputado Eduardo Cunha.

Vítor Santos
Agência AL

Voltar