Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
08:45 Fala Deputado
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
17/10/2017 - 13h35min

Ex-secretário no Rio, José Beltrame fala sobre a segurança pública no país

Imprimir Enviar
José Mariano Beltrame
FOTO: Solon Soares/Agência AL

Apontar a necessidade de mudar o paradigma político brasileiro, com o estabelecimento de prioridades e a efetividade de um planejamento integrado, com curto, médio e longo prazo, foi a principal mensagem deixada pelo delegado federal aposentado José Mariano Benincá Beltrame durante sua palestra, na noite de segunda-feira (16), na Câmara Municipal de Joinville. Promovido pela Escola do Legislativo Deputado Lício Mauro da Silveira, o encontro reuniu diversos parlamentares e gestores ligados à segurança pública em Santa Catarina, entre eles o presidente da Escola do Legislativo, deputado Gelson Merisio (PSD).
Destacando a importância do debate, Merisio abriu os trabalhos enfatizando que a iniciativa visa aprofundar a comunicação com a sociedade, no sentido de definir o direito a segurança pública como prioridade a ser adotada no estado e no país. “Além de polícias motivadas precisamos de mais inteligência e tecnologia aplicadas e voltadas para segurança.” O parlamentar compartilha da experiência de profissionais como Beltrame, que por quase dez anos esteve à frente da Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro, uma oportunidade de aprofundar o debate técnico, com a intenção de buscar soluções para suprir os problemas.

Palestra
Com a palestra “Segurança Pública: crise sem medo”, Beltrame abordou a segurança pública com base na sua experiência na implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) em diversas comunidades do estado fluminense. Para ele,  a crise da segurança pública é um conjunto de problemas sociais, que infelizmente atinge a população em todos os níveis, favorecendo a desigualdade. Segundo ele, essa desigualdade acentua cada vez mais as questões relacionadas a segurança. "Não podemos generalizar, pois existem pessoas que optam pelo crime independente de terem oportunidades ou não, mas também existe muitas dessas pessoas que são levadas ao crime por falta dessas questões de cunho social e cultural."
Na ocasião, Beltrame fez questão de pontuar que a polícia em si não é a segurança pública, mas uma parte do que envolve assa estrutura. O ex-secretário acredita que para melhorar a situação da segurança no país é necessário melhorar a condição do Estado brasileiro, em geral a sociedade."Se conseguimos melhorar essas condições certamente conseguiremos melhorar a sensação de segurança dessa mesma sociedade."
Durante sua explanação, mencionou que a segurança pública nunca foi prioridade para as lideranças do país, e que não se recorda de ter visto um momento tão complicado para o setor como o atual, em que se associam crises institucionais e econômicas. Diante da situação, ele aponta que a ação integrada e o planejamento estão entre as principais medidas que precisam ser aplicadas imediatamente. "Não podemos colocar a cinta apenas nas mãos das polícias civil e militar, outras forças precisam estar integradas nessa ação. Só assim vamos conseguir reduzir e melhorar a situação do país."

Projeto exitoso
Considerando as UPPs um projeto exitoso, Beltrame explicou que a instalação das estruturas foi preparada com grande antecedência e envolveu integrantes de outros poderes e órgãos públicos, tais como Ministério Público e Judiciário. Também foi realizado um levantamento que incluiu o mapeamento das áreas visadas, a quantidade e tipo de armamento nas mãos de criminosos, além do perfil socioeconômico das suas populações.
Com o auxílio de uma empresa de consultoria, foi estabelecido para cada localidade destacada para receber uma UPP um índice de criminalidade a ser alcançado. “Eu também avisava antes que o policiamento de choque iria entrar. Fui muito criticado por isso, pois muitos bandidos fugiram, mas prefiro que eles escapem do que haver um banho de sangue. A questão principal é desalojá-los, pois a prisão pode ser feita em outro dia”, disse.
Acompanharam a palestra os deputados Kennedy Nunes (PSD), Dalmo Claro (PSD), Patrício Destro (PSB) e Darci de Matos (PSD).

Sobre o palestrante
Natural de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, José Mariano Benincá Beltrame, de 57 anos, é delegado federal. Bacharel em Direito e Administração de Empresas e Administração Pública, Beltrame possui inúmeras qualificações na área da segurança pública. Entre elas, curso de Inteligência em Segurança Pública e curso de Análise de Dados de Inteligência Policial-Sistema Guardião na Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). Ele conta também com certificado do Seminário de Gestão de Crises Sênior realizado pelo Escritório de Assistência Antiterrorismo do Bureau de Segurança Diplomática do Departamento de Estado dos Estados Unidos.
1981 – Ingressou no Departamento de Polícia Federal como Agente de Polícia Federal, atuou principalmente na área de repressão a entorpecentes e na área de Inteligência Policial combatendo o crime organizado em diversas unidades da federação.
2006 – Coordenou a Missão Suporte, Chefiou o Serviço de Inteligência e da  Interpol na Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Coordenou a Segurança da 75ª Assembleia Geral da Interpol, atuou como professor e palestrante no Curso de Pós Graduação em Inteligência de Segurança Pública da Universidade Federal do Mato Grosso.
2007 – Assumiu em 1º de janeiro o cargo de Secretário de Estado de Segurança do Rio de Janeiro, onde permaneceu até 17 de outubro de 2016.
2016 – A partir de dezembro, começou a trabalhar como consultor de segurança da empresa Vale.

Tatiani Magalhães
Agência AL

Voltar