Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Whatsapp Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
04/08/2020 - 17h27min

Deputados criticam gestão da pandemia e desativação de emergência pediátrica

Imprimir Enviar

FOTO: Bruno Collaço / AGÊNCIA AL

A sessão desta terça-feira (4) da Assembleia Legislativa foi marcada pela crítica dos parlamentares à gestão da pandemia e à desativação da emergência pediátrica do Hospital Regional de São José, na Grande Florianópolis.

“A desativação dos serviços certamente trará riscos para desorganização do atendimento pediátrico na região, o Hospital Joana de Gusmão ficará ainda mais sobrecarregado. Não é fácil encontrar soluções para tudo, mas quero alertar para dificuldade de atendimento às crianças e adolescentes, que geraria mais angústia”, ponderou Doutor Vicente Caropreso (PSDB).

“Quero me associar a sua fala no sentido da preocupação com os reflexos negativos decorrentes do fechamento da emergência pediátrica do Hospital Homero de Miranda Gomes”, opinou Neodi Saretta (PT), presidente da Comissão de Saúde.

Já Ada de Luca (MDB) pintou um quadro assustador relativamente à gestão do coronavírus.

“Falta diálogo do governador com os municípios; faltam ações regionalizadas; há demora na liberação de recursos do estado e na ativação dos leitos de UTI; tem sobrecarga no sistema de saúde; faltam profissionais da saúde, anestésicos, insumos; enfim, falta planejamento”, avaliou Ada.

A deputada criticou a centralização dos testes de Covid no Laboratório Central (Lacen), em Florianópolis, e denunciou que há cerca de 11 mil testes represados que poderiam ser feitos na região em que reside a pessoa testada.

Ada também cobrou do governador interlocução com Brasília, assim como a participação do Ministério da Saúde na gestão da pandemia em Santa Catarina.

“Não adianta reclamar do Ministério da Saúde, temos de ir a Brasília, o governador precisa sentar com o ministro e com o secretário, precisamos do apoio técnico do Ministério, só dinheiro não resolve”, reconheceu a representante do Sul.

Por outro lado, Marcius Machado (PL) defendeu a distribuição de kits de vitaminas para aumentar a imunidade da população.

“Quais são os suplementos que a rede pública destina às pessoas que queiram usar? Entendemos a necessidade de aumentar a imunidade, hoje os alimentos, as frutas e verduras não possuem todos os nutrientes que precisamos”, afirmou Machado, citando os casos de vitaminas A, C, cloreto de magnésio e ômega 3.

Tragédia em Beirute
Kennedy Nunes (PSD) pediu e o presidente Mauro de Nadal (MDB) concedeu um minuto de silêncio pelas dezenas de vítimas de explosão no porto de Beirute, no Líbano.

Impeachment do governador e da vice
Paulinha (PDT) avaliou que não há razão forte o bastante para justificar o afastamento do governador e da vice-governadora.

“Não se trata de defender o governo, as reflexões que eu compartilho têm razão direta com a democracia. Quem não gosta do governo Moisés terá em 2022 a grande oportunidade de trazer as suas propostas”, declarou a líder do governo, que questionou a possibilidade de 40 pessoas “subtrair a vontade expressa dos catarinenses”.

“O processo de impedimento é processo político”, lembrou Jessé Lopes (PSL), garantindo em seguida que o governador não conta mais com o apoio popular e debitou o desprestígio à má gestão da pandemia, ao caso dos respiradores e do hospital de campanha.

Kennedy Nunes discordou de Paulinha e observou que os 40 deputados receberam cerca de 4,5 milhões de votos.

“Não são 40 pessoas que podem decidir mais que as pessoas que votaram no governador. Para, nós não somos 40 pessoas, eu não sou um, sou 39.352 aqui. Se é para ver números, somei os votos dos 40 e são 4.241.667 votos. Mais respeito com o Parlamento, esta Casa tem muito mais votos que o senhor levou”, argumentou Kennedy, referindo-se ao governador Carlos Moisés.

“Li o parecer da assessoria jurídica da Casa, agora temos de trabalhar nos esclarecimentos, estudar a situação e tentar convencer os colegas”, informou Coronel Mocellin (PSL), enfatizando que o “concordo” do governador no caso do aumento salarial dos procuradores refere-se à análise do caso, não à autorização para executar a despesa.

Ricardo Alba (PSL) questionou o interesse da Assembleia Legislativa no processo contra o governador.

“Qual o interesse no processo de impedimento? A quem por ventura esse processo visa beneficiar? E se nesse momento de pandemia o processo é bom para Santa Catarina ou não”, perguntou Alba, adiantando que ainda não formulou juízo de valor sobre a matéria.

SC-390
Marcius Machado anunciou que as obras da SC-390, que liga Anita Garibaldi e Celso Ramos, reiniciarão em dois meses.

Três projetos
Luciane Carminatti (PT) noticiou o protocolo de três projetos de leis para minimizar os desafios da educação online.

O primeiro projeto prevê linha de crédito para compra pelos professores de equipamentos de informática; o segundo permite que todos os dispositivos de informática apreendidos pelos órgãos de segurança estaduais sejam destinados às escolas públicas; e o terceiro cria um programa na Secretaria de Estado da Educação para fornecimento de equipamentos portáteis e softwares para os professores.

“Se não tem como dar, cria a oportunidade de ele ter a ferramenta”, concordou Moacir Sopelsa (MDB), aludindo à linha de crédito específica para profissionais da educação.

“Uma situação que pouca gente para para pensar, o direito dos professores de ter acesso à informática”, pontuou Caropreso.

“Conta comigo”, prometeu Ada de Luca.

"Temos professores tendo de utilizar a internet do vizinho, assim é muito difícil fazer um planejamento de aula”, assentiu Sargento Lima (PSL). 

Colégios agrícolas
Altair Silva (PP) pediu a atenção das secretarias de Educação e da Agricultura para as escolas agrícolas, duramente atingidas pelos últimos vendavais.

“A Agricultura e a Educação precisam abraçar os colégios agrícolas, senão vão fechar por causa das estruturas e da falta de insumos. Precisa atenção especial às escolas, há muita área devastada e muita atividade dos colégios que precisam ser recompostos”.

Credenciamento de hospitais
Fabiano da Luz (PT) pediu apoio dos colegas para gestionar junto ao Ministério da Saúde o credenciamento do hospital de Concórdia para aplicação do Spinraz em crianças com AME.

“Precisamos unir esforços para o recredenciamento do hospital de Concórdia, são 11 crianças do Oeste que recebem a medicação a cada quatro meses. A Secretaria de Saúde pressiona o Ministério da Saúde para que credencie o hospital de Concórdia”, informou.

Indicações
Maurício Eskudlark (PL) indicou ao Executivo que o prédio onde funcionou a Delegacia de Polícia de Garuva, que está abandonado, seja cedido para uso do Rotary Club do município.

O deputado também sugeriu que carretas com nove eixos tenham autorização para transitar entre Braço de Trombudo e Trombudo Central, no Alto Vale do Itajaí.

Propaganda da Natura
Jessé Lopes criticou a Natura pela propaganda exibida em rádios e televisões para homenagear o dia dos pais.

“Na hora de fazer a homenagem do dias dos pais, homenageia um pai que não é pai. Tenho a liberdade de repudiar esse tipo de afronta, para mim é no mínimo incabível esse tipo de propaganda”.

Nova nota de 200 reais
Padre Pedro Baldissera (PT) apresentou ações que deveriam ter prioridade diante do anúncio do lançamento da nota de R$ 200.

O deputado listou os 2,7 mi infectados pelo coronavírus; as mais de 94 mil mortes; 50% da população sem esgoto tratado; 700 mil empresas em falência; 35% dos recursos orçados de estados e municípios usados no combate a pandemia, não muito diferente do governo federal; 10% mais ricos ganham 36 vezes mais que os 10% mais pobres; 40% dos trabalhadores estão no mercado informal; o atraso e burocracia no auxílio emergencial; renda básica e permanente; e o racismo estrutural.

 

Vítor Santos
Agência AL

Voltar