Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
00:30
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
12/07/2018 - 11h36min

Cooperativismo, segurança pública e cortes no esporte na sessão desta quinta (12)

Imprimir Enviar
Deputados falaram sobre recursos para o Fundo Nacional da Segurança Pública e houve críticas ao funcionamento do judiciário nacional
FOTO: Eduardo G. de Oliveira/Agência AL

José Milton Scheffer (PP) foi à tribuna, durante a sessão plenária da manhã desta quinta-feira (12), para destacar a importância das entidades associativas para o estado. O parlamentar participou ontem da cerimônia de posse do novo Conselho Estadual do Cooperativismo (Cecoop), estrutura vinculada à Secretaria da Estrutura e da Pesca e que terá como atribuições discutir, deliberar e propor políticas públicas para o segmento.

De acordo com o deputado, que preside a Frente Parlamentar em Defesa do Cooperativismo Catarinense, Santa Catarina possui 263 entidades do tipo, às quais estão associados 2,2 milhões de pessoas, em 12 setores produtivos. Somente em 2017, disse, as cooperativas foram responsáveis pela manutenção de 61 mil empregos diretos, gerando uma movimentação financeira de R$ 32 bilhões.

“Santa Catarina tem índices econômicos que orgulham a todos nós, mas, sem  dúvida nenhuma, nosso estado não teria essa pujança toda sem o cooperativismo, que está no nosso DNA.”

Ele também discorreu sobre as contribuições que o Cecoop deve dar para o estado. “O conselho vai, sim, criar novos mecanismos para que mais catarinenses possam se beneficiar desse sistema e para que a economia do estado possa se desenvolver cada vez mais, por meio da geração de emprego e renda.”

 

Segurança pública

Mauricio Eskudlark (PR) afirmou que a corrupção e a criminalidade são os dois grandes problemas a serem enfrentados pelo poder público para que o país possa retomar o caminho do desenvolvimento.

Ele também afirmou que, no estado, a população já vem experimentando os efeitos decorrentes do novo sistema de trabalho implementado pelas instituições que atuam na área da segurança pública. “Vejo que há um sentimento de alento, de esperança, com relação à diminuição da criminalidade, que só vai ser feita com a aplicação firme da lei, mantendo-se os presos encarcerados. Meu reconhecimento à Secretaria de Segurança, Polícia Militar, Polícia Civil, IGP e sistema prisional.”

 

Cortes no esporte

Valmir Comin (PP) criticou o governo federal, pela edição, no último mês, da Medida Provisória 841/2018, que destina recursos das loterias federais para o Fundo Nacional da Segurança Pública (FNSP).

Para o parlamentar, um dos principais segmentos afetados pela ação deve ser o esporte, que no estado deve sofrer uma redução de R$ 450 mil mensais nos repasses federais. “Esta MP coloca em risco a viabilidade do setor, com graves impactos também para a educação, saúde, segurança pública, desenvolvimento social e para a geração de oportunidades a milhões de jovens.”

Neste sentido, ele reivindicou uma mobilização das lideranças políticas catarinenses em prol da revogação da medida. “O esporte é um inigualável fator de desenvolvimento humano e social, por isso solicito um manifesto desta Casa e da bancada federal catarinense para uma moção de repúdio ao governo federal e para que não permitam que essa MP possa se consolidar na  prática.”

 

Bagunça no Judiciário

Ana Paula (PT) afirmou que o Poder Judiciário brasileiro passa por um momento de “incertezas” e de “bagunça”, algo que, segundo ela, ficou evidenciado pelo recente episódio envolvendo a ordem emitida por um desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) para a soltura do ex-presidente Lula. “O que vivenciamos no país foi um absurdo. Moro [juiz Sérgio Moro], em férias, de sunguinha em Portugal, mandou por telefone um delegado de Curitiba não cumprir uma ordem judicial.”

A parlamentar afirmou ainda que a população, que foi às ruas para pedir o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, agora está envergonhada por ter conduzido Michel Temer à Presidência, alguém que, a seu ver, tem se descuidado da economia do país, fato do qual decorreriam o atual nível de desemprego e aumentos sucessivos nos preços da energia elétrica, gás de cozinha e combustíveis.

Alexandre Back
Agência AL

Voltar