Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Serviço temporariamente em manutenção.
Acompanhe a programação da TVAL pelo Youtube.


Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
15/10/2021 - 13h26min

Política econômica desastrada do governo federal faz inflação disparar

Imprimir Enviar
Deputado Adrianinho
FOTO: Rodolfo Espínola/Agência AL

O deputado Adrianinho De Martini (PT) ressaltou, na tribuna da Alesc, que a política econômica de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes não para de dar resultados desastrosos. Ele disse que os dados da inflação de setembro divulgados pelo IBGE não poderiam ser pior: no mês passado, o IPCA subiu 1,16%, a maior variação para um mês de setembro desde 1994. “O Brasil, definitivamente, está com uma inflação anual acima de dois dígitos, ou seja, acima de 10%. Nos últimos 12 meses, o IPCA acumula alta de 10,25%.”

Segundo ele, Bolsonaro adora lavar as mãos sobre os péssimos resultados econômicos do seu governo e costuma dizer que ele nada pode fazer, o que é só mais uma de suas infinitas mentiras. Uma análise do que fez o IPCA acumular alta de 10,25% nos últimos 12 meses comprova que essa inflação é culpa direta do atual governo.

“O brasileiro, que já sofre com o desemprego, a perda de renda e a péssima gestão da pandemia, que já levou mais de 600 mil vidas, sofre também com o descontrole da inflação, provocada, diretamente, por este governo desumano e incompetente”, criticou.

Conforme o IBGE, dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito tiveram altas em setembro. O maior impacto (0,41 p.p.) e a maior variação (2,56%) vieram de habitação. “E o que provocou um aumento tão grande nesse grupo? Energia elétrica, que só neste ano aumentou 28,82% pesando no bolso do trabalhador”, afirmou.

Os outros dois grupos que mais elevaram o IPCA foram os de transportes (alta de 1,82% em setembro) e alimentos e bebidas (1,02%). E aí, os grandes vilões foram, respectivamente, os preços dos combustíveis e da comida: carnes subiram 25%, café 29%, açúcar (44%) e óleo de soja (32%) somente neste ano.

“Aqui a culpa também é claramente de Bolsonaro e Guedes, embora o presidente insista em dizer que os responsáveis pela alta dos combustíveis são os governadores e ao ICMS praticado. A gasolina, o diesel e o gás de cozinha estão tão caros porque a Petrobras dolarizou os preços dos combustíveis e a própria empresa atribui a `culpa` às taxas de câmbio e o aumento do petróleo no cenário internacional”, destacou Adrianinho.

O deputado lamentou que, como se não bastasse, a Petrobras reajustou novamente o preço da gasolina e do gás de cozinha para as suas distribuidoras na última semana. Um aumento de 7,2% em cada produto. Somente neste ano, a gasolina já subiu mais de 40%, o etanol 65%, o gás 35% e o diesel 33%.

“Os preços absurdos da comida são resultado do abandono das políticas de segurança alimentar, que significou o fim dos estoques reguladores de alimentos, que na era Lula e Dilma serviram para o governo controlar o preço dos itens mais consumidos pela população, como arroz e feijão”, frisou.

 

 


Juliana Wilke
Assessoria Coletiva | Bancada do PT na Alesc | 48 3221 2824  bancadaptsc@gmail.com
Twitter: @PTnoparlamento | Facebook: PT no Parlamento

Voltar