Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
21:00
Ouvir
21:00 Cidade Inteligente

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
10/08/2017 - 15h59min

Para Luciane, “distritão” é acórdão para manter atuais parlamentares no poder

Imprimir Enviar
Deputada Luciane Carminatti
FOTO: Vitor Shimomura/Agência AL

A deputada Luciane Carminatti (PT) afirmou hoje (10), no Plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, que o “distritão”, aprovado ontem na Comissão Especial que analisa a reforma política na Câmara dos Deputados, é mais um acórdão feito para manter os atuais parlamentares no poder. Segundo ela, os mentores desta proposta são o presidente Michel Temer e ex-deputado Eduardo Cunha e tem o apoio da maioria dos grandes partidos que estão preocupados com a reeleição em 2018. “Os deputados têm se desgastado muito nas votações da reforma trabalhista, na defesa da reforma da previdência, na PEC que limitou investimentos por 20 anos”, ressaltou.

Luciane ressaltou que no próximo ano vai chegar a conta deste “saco de maldades”. “O ‘distritão’ vem para salvar os que cometeram arbitrariedades contra o povo brasileiro e que dificilmente seriam reeleitos no próximo ano.” A deputada disse que apenas Afeganistão e Jordânia adotaram este sistema eleitoral e que ao ser comparado a estes países, já não falta mais nada para o Brasil afundar de vez.

Para a deputada, a população precisa compreender o que está sendo proposto. “No ‘distritão’ serão eleitos os mais votados. Em Santa Catarina, talvez os 40 deputados sejam reeleitos, mas qual o espaço para as novas lideranças que almejam disputar as eleições?”, questionou. A parlamentar acredita que o debate de ideias e de projetos vai acabar, pois cada partido vai lançar o mínimo de candidatos para manter as atuais vagas e não vai mais discutir a construção de novos nomes para que possam também chegar aos parlamentos. “Os partidos, ao invés de lançar uma chapa de 20, vai lançar dois ou três nomes para tentar eleger. Isso é bom para os deputados que estão lá, mas não para a democracia. O povo quer se enxergar nos seus representantes”.

Luciane acrescentou que os caciques eleitorais, que tem exposição e mídia, terão mais capilaridade e que os bons candidatos que são de uma região apenas, não terão musculatura para uma campanha estadualizada. “Com isso estamos impedindo que sejam candidatos.”

 


Assessoria Coletiva | Bancada do PT na Alesc | 48 3221 2824  bancadaptsc@gmail.com
Twitter: @PTnoparlamento | Facebook: PT no Parlamento

Acompanhe Luciane Carminatti


Luciane Carminatti
Voltar