Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
11:30 Nossa Saúde
11:30 Nossa Saúde
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
Publicado em 08/08/2019

Truta catarinense ganha territórios rumo à União Europeia

Imprimir Enviar
Truta produzida em Santa Catarina está ganhando espaço. Ingresso no mercado internacional será próxima etapa

Terceira espécie na produção em cativeiro no estado, com 1,2 mil tonelada por ano (o que corresponde a 2,08% do total de peixe de água doce), a truta catarinense está prestes a conquistar os consumidores da União Europeia, abrindo um leque de oportunidade para os produtores. Grande parte do peixe beneficiado é comercializada nos mercados catarinenses e está ganhando territórios como São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. O ingresso no mercado internacional deve ser a próxima etapa.

O empresário Vilso Isidoro, proprietário do maior frigorífico especializado em trutas no estado, localizado em Lages, revela que já possui o registro credenciador para exportação e recebeu este ano uma comitiva de supermercadistas europeus que aprovaram a qualidade e aguardam a liberação burocrática para assinar contratos de compra do pescado catarinense.

A empresa criada há quatro anos, inicialmente para atender o mercado da Serra Catarinense, já beneficia 200 toneladas por ano de truta e busca o produto onde estiver no estado para atender o mercado consumidor. O frigorífico tem 16 funcionários e beneficia trutas com pele e sem pele, tendo iniciado este ano a produção de truta defumada naturalmente.

A intenção do empresário é aumentar a produtividade em 50% para atender o mercado internacional a partir do ano que vem e, ao mesmo tempo, manter o mercado interno. “A nossa previsão é de que em setembro ou outubro conseguiremos os documentos necessários para exportar as primeiras trutas. Estamos vivendo um momento de crescimento gradativo, tanto interno como externo”, comemora.

Isidoro explica ainda que, com a divulgação da qualidade e dos benefícios e características nutricionais do peixe (muito rico em ômega 3), os produtores estão sentindo o aumento do consumo. Um peixe de aproximadamente 30 centímetros e 250 gramas apresenta a condição ideal de consistência e sabor para ser consumido. Ele ressalta que a truta é um peixe exigente e só atinge o tamanho e vigor necessários em ambientes saudáveis, com água pura, bem oxigenada, de baixa temperatura (entre 13ºC e 17ºC), cristalina e corrente. Por isso, a truta é um dos poucos peixes que pode ser consumido sem risco de contaminação.

Voltar