Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
04/08/2022 - 16h09min

Censo 2022: Mais de 2,4 milhões de endereços serão visitados em todo estado

Imprimir Enviar
Superintendente do IBGE em SC, Roberto Kern Gomes
FOTO: Bruno Collaço / AGÊNCIA AL

Os mais de 7 milhões de catarinenses vão receber até o início de novembro, após doze anos, a visita de mais de 7,5 mil recenseadores contratados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para realizar a 13ª edição do censo demográfico, que apresentará os principais dados amplos e confiáveis sobre diversos aspectos da vida dos brasileiros. Em Santa Catarina, a estimativa é que sejam visitados mais de 2,4 milhões de domicílios, distribuídos por 295 municípios.

O superintendente do IBGE em Santa Catarina, Roberto Kern Gomes, explica que com dois anos de atraso por causa da pandemia de covid-19 (em 2020) e falta de recursos (em 2021), os recenseadores começaram no dia 1° de agosto a colher informações para o censo. “É por meio do Censo 2022 que saberemos quantos somos, como somos e de que forma vivemos nas áreas urbanas e rurais do país”. A estimativa do instituto é de que a população brasileira some em torno de 215 milhões de habitantes. No último levantamento, em 2010, o país tinha 190,8 milhões de habitantes.

Ele relata que o Censo 2022 terá dois tipos de questionários: ampliado e simplificado. O primeiro, também chamado de amostra, terá 77 perguntas e será aplicado a 11% dos entrevistados. Ele leva, em média, 16 minutos para ser respondido. Já o simplificado ou básico, com 26 perguntas, será aplicado aos 89% restantes, e a previsão de duração da entrevista é de 4 minutos. “No interior, há casos em que o recenseador é convidado a tomar café e aí demora um pouco mais”, acrescenta.

Entre as novidades para essa edição está a utilização de um dispositivo móvel de coleta (DMC), que é um computador de mão, semelhante a um aparelho celular, que no local mesmo enviará as informações à central do IBGE. Para garantir o sigilo das informações, os dados inseridos nos DCMs estão criptografados e têm sistema de proteção. Nem mesmo os recenseadores têm acesso aos dados, depois de inseridos no dispositivo. O órgão também segue uma política de sigilo e confiabilidade, além ter comitês de ética internos.

O questionário básico traz perguntas sobre identificação do domicílio, informações sobre moradores, características do domicílio, identificação étnico-racial, registro civil, educação, rendimento do responsável pelo domicílio, mortalidade e dados da pessoa que prestou as informações. Já o ampliado investiga também informações sobre trabalho, rendimento, casamento, núcleo familiar, fecundidade, religião ou culto, pessoas com deficiência, migração interna e internacional, deslocamento para estudo, deslocamento para trabalho e autismo.

Outra novidade é que pela primeira vez estarão sendo captadas todas as coordenadas geográficas das residências visitadas. “Informação importante para ser utilizada pela Defesa Civil caso ocorra um desastre natural no futuro. Com esse dado se saberá a localização da moraria e quantas pessoas residem no local.”

Deficiência e autismo
Gomes salienta que o levantamento do IBGE também vai investigar dados relativos a deficiência e autismo. A abordagem, prevista em leis específicas, tem o objetivo de produzir informações atualizadas do número de indivíduos com essas características. A temática será abordada no questionário da amostra e vai permitir padronizar e harmonizar definições, conceitos e metodologias para que seja possível comparar as estatísticas brasileiras com as de outros países. Este será o primeiro censo a tratar de autismo.

Segurança
Para garantir a segurança da população, o servidor destaca que todos os recenseadores do IBGE estão identificados com boné e colete, além do crachá de identificação. Dentro do crachá há um QR Code e o cidadão pode apontar a câmara de celular para esse código para confirmar o nome e a foto do recenseador, e verificar se ele é, de fato, um recenseador. Também é possível checar a identidade do profissional pela internet. Basta digitar o número da matrícula que consta no crachá no site do IBGE.

Qualquer dúvida sobre a identificação do recenseador ou preenchimento do questionário pode ser esclarecida pelo telefone (0800-721-8181) ou pelo site Respondendo ao IBGE. Três formas de abordagem serão utilizadas para preencher os questionários: presencial, pela internet e por telefone.

Mesmo que a pessoa opte por preencher o questionário pela internet, o recenseador irá a casa do entrevistado entregar um código necessário para preencher o questionário. Pelo telefone, ocorre o mesmo processo. No caso da entrevista pela internet, o morador terá sete dias para responder.

Ney Bueno
Agência AL

Voltar