Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Serviço temporariamente em manutenção.
Acompanhe a programação da TVAL pelo Youtube.


Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
04/11/2020 - 17h07min

“A dor de Mariana é a dor de todas as mulheres vítimas de violência”

Imprimir Enviar
Deputada Paulinha
FOTO: Rodolfo Espínola/Agência AL

O Brasil contabilizou mais de 66 mil vitimas de estupros em 2018, o que corresponde a mais de 180 casos de violência sexual por dia. Entre as vítimas, 54% tinham até 13 anos. Essas informações do 13ª Anuário Brasileiro de Segurança Pública, registrou recorde de violência sexual em 2018.  Coincidentemente mesmo ano em que a blogueira e modelo catarinense Mariana Ferrer foi uma dessas vítimas.

E para a deputada Paulinha (PDT), o caso de Mariana Ferrer não pode ser apenas mais uma estatística, mais um número que alimenta esse triste e lamentável quadro de dor.

“ O caso da Mariana nos provoca ainda mais  horror por que essa menina foi duplamente violentada e humilhada. A última vez pela Justiça. A dor de Mariana é a nossa dor”, falou a parlamentar.

A deputada Paulinha assina a carta de repúdio elaborada pela Bancada Feminina da Assembleia Legislativa que em um dos trechos destaca que o que se presenciou no Tribunal de Justiça de Santa Catarina  foi um “um verdadeiro massacre ético e moral de uma mulher que buscou amparo no judiciário para  um caso que ficou notório nacionalmente”.

Ainda, a parlamentar acredita que a Justiça e o Ministério Público deveriam ter atuado efetivamente para estancar todo o drama da menina . “Como destaca a nota de repúdio, qual o limite para uma atuação dentro do Judiciário?  Até que ponto uma audiência se torna tão cruel que se assemelha a tortura?”, observa.

Para ela, o que se presenciou foi um massacre, onde a vítima é a culpada por ser violentada.  “ Queremos Justiça. Não podemos nos calar diante de cenas tão chocantes, que envergonham nacionalmente o nosso Estado e a Justiça catarinense.”

Nota de repúdio da Bancada Feminina da Alesc  a respeito do caso Mari Ferrer                    

“Tendo em vista a reportagem do caso Mariana Ferrer ter sido amplamente divulgada pela mídia local e nacional , onde presenciamos um verdadeiro massacre ético e moral de uma mulher que buscou amparo no judiciário para  um caso que ficou notório nacionalmente. Não seria novamente tema se a agressão a vítima, pois a audiência foi devidamente filmada, não fosse praticada dentro do próprio Judiciário.

Não se trata somente do primeiro crime denunciado, mas do outro perpetrado pelos entes da Justiça, o advogado de defesa, o magistrado e o Promotor de Justiça, este último que possuía o dever de defender a vítima. Omitindo também se comete ilícitos.

Aquele que cometeu o ato em si, o agressor foi o Sr. Advogado de Defesa, que humilhou de tal forma a vítima que passou de todos os limites de ética, causando dano e repulsa a todos que assistiram, quiçá a ela.

Qual o limite para uma atuação dentro do Judiciário? Até que ponto uma audiência se torna tão cruel que se assemelha a tortura?

Dentro do Código de Ética e Disciplina da OAB, o qual se colaciona abaixo trecho da Lei, nos leva a REPUDIAR as condutas observadas pelos entes que deveriam cumprir seu dever, com ética e justiça. Observa-se na audiência estarrecedora, que não foram primadas a finalidade social, não se viu merecedores da confiança da sociedade e por fim, nada ali honrou e engradeceu tão digna profissão.

Não podemos nos calar e isso não é só uma frase de efeito, mas um compromisso com todos, por essa razão, nos choca a falta de voz do Sr. Promotor, que ao vez a pessoa a quem tinha obrigação ética de defender, se calou e permitiu que ela sofresse novamente violência, mas desta vez numa sala de audiências.

O que falar então do Doutor Magistrado, que somente após a vítima não ter mais sequer condições, permite a ela minutos para se recompor, mas não interrompe as ofensas que passaram do limite aceitável.

Até quando a violência contra a mulher permitirá que ela seja despojada até de sua dignidade, com o silêncio daqueles que deveriam primar pela Justiça?

Assim, mais uma vez esta Bancada vem a público num caso de violência contra a mulher.

Novamente mostramos nosso REPÚDIO a atitudes que permitam essa afronta a dignidade da pessoa humana e fortalecem condutas agressivas e misóginas.

Fatos desta natureza só servem para demonstrar que a mulher continua a sofrer injustificadamente violações aos seus direitos”.

Bancada Feminina da Alesc

Dep. Ada de Luca - Coordenadora da Bancada

Dep. Dirce Heiderscheidt

Dep. Luciane Carminatti

Dep.Marlene Fengler

Dep. Paulinha

 

Valquiria Guimarães

Assessoria de Comunicação

Deputada Paulinha

Voltar