Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
12/04/2019 - 18h04min

Parlamentar visita entidade que dá suporte a empresas de tecnologia e inovação

Imprimir Enviar
Deputada Marlene Fengler e dirigentes da Acate

O setor de tecnologia e inovação é um dos que mais cresce em Santa Catarina. Representa 5,6% da economia, emprega quase 50 mil pessoas e movimenta cerca de R$ 15,5 bilhões ao ano. E a expectativa é de que essa trajetória continue em ascensão de forma a transformar o setor na principal economia do estado, em aproximadamente duas décadas.

Os dados foram apresentados na manhã de hoje à deputada Marlene Fengler (PSD), presidente da Escola do Legislativo Deputado Lício Mauro da Silveira, durante visita a Acate (Associação Catarinense de Tecnologia), em Florianópolis. O presidente da entidade, Daniel Leipnitz, e o empresário Guilherme Ferla receberam a parlamentar. Lembraram que quando a Acate foi criada em 1986, o setor contava com 129 empresas e hoje tem mais de 12 mil.

A maior concentração de empresas, pessoal e faturamento do setor está na região da Grande Florianópolis, especialmente na Capital, depois no Vale do Itajaí, com destaque para Blumenau, e no Norte do estado. Mas algumas regiões, como a Serra e o Oeste, já começam a se destacar no aumento do número de empresas. Para Marlene, "essa tendência de interiorização do setor é extremamente benéfica para os municípios e, principalmente, para os jovens, porque amplia a oferta de trabalho local e estimula investimentos em qualificação."

Leipnitz observou que já operam no estado 13 centros de inovação e que outros deverão ser instalados. A demanda por mão de obra qualificada continua sendo o principal desafio das empresas de tecnologia. De acordo com o presidente da Acate, o setor tem cerca de 2 mil vagas disponíveis que não consegue preencher por falta de pessoal preparado.

A deputada, além de entender a estrutura e a vocação do ambiente, também conheceu algumas empresas e iniciativas desenvolvidas e em desenvolvimento no ecossistema local, como o LinkLab, o primeiro laboratório aberto de inovação no estado e que coloca, lado a lado, grandes empresas e startups. Funciona como elemento de conexão, servindo para ensinar empresas a inovar e ao mesmo tempo gerar empregos aos jovens. Marlene também conheceu o Observatório da Acate, que disponibiliza informações gerais sobre o setor em todo o estado, e a incubadora Miditec, considerada uma das cinco melhores do mundo e que já ajudou a formar centenas de empresas e a gerar milhares de postos de trabalho, nos últimos 20 anos. 

Ao final da visita, a parlamentar explicou aos empresários que buscava entender melhor o funcionamento e as oportunidades do setor para avaliar o aproveitamento dessas experiências pela Escola do Legislativo, de forma a capilarizar o conhecimento por meio de cursos presenciais ou pela plataforma de ensino a distância.

O presidente da Acate destacou a necessidade de investimentos em programas de formação nas escolas e de aproximação das universidades que conectem os alunos às demandas das empresas. Marlene disse que defende o ensino vocacionado por região, justamente por entender que a formação profissional ou acadêmica deve servir também de incentivo ao desenvolvimento local e regional. "Interiorizar conhecimento é uma forma de fortalecer os municípios e dar oportunidades aos jovens para que possam permanecer em suas cidades", resumiu.

Acompanhe Marlene Fengler


Marlene Fengler
Voltar