Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Serviço temporariamente em manutenção.
Acompanhe a programação da TVAL pelo Youtube.


Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
12/03/2019 - 18h14min

Aprovadas audiências públicas para mapear incidência da violência contra as mulheres no estado

Imprimir Enviar
Reunião da Comissão de Direitos Humanos aprova realização de seis audiências públicas
FOTO: Fábio Queiroz/Agência AL

A deputada Marlene Fengler (PSD) apresentou na reunião da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (12), requerimento sugerindo a realização de seis audiências públicas nas macrorregiões do Estado para debater a violência contra a mulher e o feminicídio. A intenção é levar para esses encontros dados de diferentes instituições que atuam no enfrentamento da questão, como Ministério Público do Tribunal de Contas do Estado, do Ministério Público de Santa Catarina, do Tribunal de Justiça, da Secretaria de Estado da Segurança Pública, entre outros, de forma a mapear a situação em Santa Catarina e a partir daí implementar políticas públicas que possam efetivamente reduzir a violência contra as mulheres e o feminicídio.
“A ideia é buscar dados concretos e com eles entender a situação estadual para depois implantar políticas públicas que auxiliem as mulheres”, explica a parlamentar, que ainda não tem a definição das datas e locais onde serão realizados as audiências.

"Em 2018 foram registrados mais de 40 feminicídios em Santa Catarina, além de quase 4 mil estupros e 21 mil crimes de lesões corporais", lembrou a deputada ao considerar que não há como relativizar esses números. Marlene também considera que a  
"a lei do feminicídio, de 2015, foi um avanço, mas ainda parece insuficiente para mudar condutas e reduzir as agressões e assassinatos de mulheres aqui no nosso estado e em todo o país. As nossas ações nesta Casa podem contribuir para a redução desses crimes".

Acompanhe Marlene Fengler


Marlene Fengler
Voltar