Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Serviço temporariamente em manutenção.
Acompanhe a programação da TVAL pelo Youtube.


Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
Publicado em 09/10/2020

O principal polo do turismo religioso

Imprimir Enviar
Santuário de Madre Paulina, em Nova Trento, o principal polo do turismo religioso em Santa Catarina

O casal de aposentados de Rio Negro (PR) Dernival Gonçalves da Silva e Clara Alice Peffer da Silva não escondia a emoção de visitar pela primeira vez o Santuário de Santa Paulina, em Nova Trento, no mês de fevereiro deste ano. Como eles, mais de 800 mil peregrinos, dos mais diversos estados e de mais de 21 países, visitam anualmente o Bairro de Vígolo, onde está localizado o complexo ecológico e religioso da primeira santa brasileira, canonizada em 2002 pelo papa João Paulo II.

No local, o visitante tem a oportunidade de conhecer a igreja – que abriga uma parte do osso do braço amputado da Santa Paulina, que sofria de diabetes –, e outras estruturas, como a Ermida Santa Paulina, a Igreja de Vígolo e o Oratório de Nossa Senhora Aparecida. O santuário de Santa Paulina também conta com um bondinho aéreo que faz a ligação com o Morro da Colina, num percurso de 440 metros, em meio à natureza.

O santuário é considerado o segundo destino de turismo religioso que mais recebe fiéis do Brasil. Além do templo, o Santuário Santa Paulina tem mais de 33 pontos de visitação, entre eles, capelas, trilhas e cascatas, que estão em comunhão com a beleza natural do local.

Irmã Anna Tomelin, diretora do Santuário de Santa PaulinaDe acordo com a diretora do Santuário de Santa Paulina, em Nova Trento, irmã Anna Tomelin, a construção do complexo durou 924 dias e a dedicação ocorreu no dia 22 de janeiro de 2006. A celebração contou com a presença de milhares de devotos, centenas de padres, diáconos e aproximadamente 300 irmãs da Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, fundada por Santa Paulina.

Ela diz que o fluxo de turistas começou pequeno em Nova Trento, mas com a canonização de Santa Paulina vieram fiéis de todos os estados brasileiros e de quatro continentes. “Só não vieram, ainda, turistas da Oceania. Dos outros continentes vieram, para visitar, pagar promessas, sentir a paz e essa harmonia que existe no local. O turismo aqui tem o foco religioso.”

O fluxo de turistas é diário, com destaque para duas datas especiais. Em julho, na festa de Santa Paulina, em apenas um dia passam pelo local mais de 20 mil pessoas, e em dezembro, quando é promovido o show do Natal Luz, o santuário recebe mais de 15 mil peregrinos.

O casal de agricultores de Itajaí Carlos Fischer e Nadir Fischer visita o Santuário de Santa Paulina com frequência. “Foi uma pessoa que sempre fez o bem e a gente tenta seguir o mesmo caminho. Ela é um exemplo de vida”, resume Carlos. A esposa dele diz que sempre foi atendida em tudo que pediu para Santa Paulina. “As orações de toda manhã faço em prol dela. Sempre que posso estou aqui.”

Santa Paulina
Santa PaulinaAmábile Lúcia Visintainer, intitulada Santa Paulina, nasceu na região de Trento, na Itália, e migrou com a família para o Brasil aos 10 anos. Interessou-se ainda jovem pela caridade e pela vida religiosa. Fundou a Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, considerada a primeira para mulheres no Brasil, em 1890. Em Nova Trento, madre Paulina viveu por 28 anos.

Cuidou de antigos escravos em São Paulo no início do século e trabalhou na formação de jovens religiosas em Bragança Paulista. Descobriu em 1938 que tinha diabetes, doença que a deixou cega e sem o braço direito.

Mais de duas décadas depois de sua morte ocorreu o primeiro milagre atribuído à madre Paulina: a melhora de Eluíza Rosa de Souza, de Imbituba (SC), que em 1966 sofreu uma hemorragia em decorrência da morte intrauterina do feto.

O segundo milagre foi a cura de uma menina de apenas cinco dias de vida, em 1992, que tinha nascido com má-formação cerebral. Iza Bruna Vieira de Souza, de Rio Branco (AC), passou por cirurgia e melhorou. O caso foi responsável por transformar madre Paulina em santa.

Voltar