Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
30/11/2012 - 13h52min

Sessão especial marca na Assembleia Legislativa a Semana da Consciência Negra

Imprimir Enviar
Sessão homenageou pessoas que se destacam na luta antirracismo

O Dia Nacional da Consciência Negra no Brasil, celebrado em 20 de novembro, é dedicado a Zumbi dos Palmares, morto nesta mesma data, no ano de 1695. Considerado um dos principais representantes da resistência negra à escravidão na época do Brasil Colonial, Zumbi dos Palmares deixou um legado forte para a causa anti-racista. Diante de fatos importantes como este, o Legislativo catarinense, por solicitação dos parlamentares Sandro Silva (PPS) e Angela Albino (PCdoB), prestaram na noite de quinta-feira (29) uma homenagem a todos os ativistas que lutam pela igualdade racial.
Ao fazer um breve resgate da história do Quilombo no Brasil, Angela ressaltou que o maior sonho da comunidade negra naquela época era viver em liberdade de convivência entre brancos, negros e índios. Para a parlamentar, é preciso também comemorar a liberdade e a confraternização de uma sociedade mais fraterna. Porém, Angela salienta que muito ainda precisa ser feito para acabar com o racismo.
“Mesmo com tantas conquistas ao longo desses anos, é possível identificar que a população negra ainda sofre com a desigualdade no Brasil. No campo profissional, em Santa Catarina, as mulheres negras chegam a receber 60% a menos do que um homem branco, apenas porque são mulheres e negras”, exemplificou.

Legado de Zumbi precisa ter continuidade
Já o deputado Sandro mencionou que o legado de perseverança deixado por Zumbi dos Palmares precisa ter continuidade. Segundo ele, a luta deste negro busca a igualdade do ser humano, com espaço e direitos iguais. “O Brasil infelizmente ainda é um país com vários tipos de preconceitos, que precisam ser quebrados. Esta data que propõe a reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira vai ao encontro do nosso trabalho pela igualdade visando minimizar ou extinguir o preconceito racial”, declarou.
Representando os homenageados, Wanda Pinedo afirmou que esta é uma data de reflexão para a sociedade em geral, não apenas para os negros. “Engana-se aqueles que pensam que o Dia da Consciência Negra é para os negros. Nós, negros, sofremos o racismo, mas não o criamos. O racismo é uma ferramenta do capitalismo que permite aos poderosos lucrarem com a desigualdade, porém esses 500 anos de luta são pertinentes”, frisou.
Ao fim dos pronunciamentos, os homenagedos, com destaque para o ex-funcionário do Poder Legislativo, o jornalista Moisés de Souza Madeira (in memoriam), receberam uma placa comemorativa em reconhecimento a luta pela igualdade social. (Tatiani Magalhães)

Os homenageados:

  • Anderson Luiz Costa e Souza, ativista e liderança comunitária, com atuação forte com a juventude no meio cultural
  • Jorge Noé Vizeu da Silva - Preto Bonito, empresário comprometido com a luta antirracista
  • Murilo da Silva, ativista e liderança comunitária
  • Nelson Padilha, educador e ativista
  • Moisés de Souza Madeira (in memoriam), jornalista, líder comunitário e comprometido com a luta antirracista.
  • Juan Carlos Pinedo (in memoriam), ativista e liderança do Movimento Negro Unificado
  • Dagmar Pereira, movimento negro de Biguaçu
  • Marcos Canetta, sócio-fundador do Instituto Liberdade
  • Marilú Lima de Oliveira, coordenadora do Programa Antonieta de Barros da Assembleia Legislativa.
Voltar