Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
24/05/2022 - 22h05min

Lideranças sugerem criação de câmara técnica para o rio Itajaí-Mirim

Imprimir Enviar
Situação hídrica do rio que abastece o município de Itajaí foi discutida em audiência na noite desta terça (24)
FOTO: Solon Soares/Agência AL

A criação de uma câmara setorial técnica da Bacia do Rio Itajaí-Mirim no Comitê Hidrográfico da Bacia do Rio Itajaí-Açu e o início de estudos para construção de uma aqueduto da barragem de Botuverá para abastecer o município de Itajaí, foram os principais encaminhamentos propostos na audiência pública da Comissão de Turismo e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, realizada na noite desta terça-feira (24), no auditório do curso de Direito da Univali, em Itajaí. No encontro, os participantes debateram a situação hídrica do rio Itajaí-Mirim, responsável pelo abastecimento de água potável de diversos municípios da região.

O presidente da comissão e proponente da audiência, deputado Ivan Naatz (PL), destacou o corpo qualificado que participou do evento em Itajaí, enriquecendo o debate sobre as propostas para melhorias no rio Itajaí-Mirim. Para o parlamentar, o principal encaminhamento do encontro foi a proposta de acompanhar a evolução da qualidade da água, com mais atenção e permanência, criando uma câmara técnica da Bacia do Rio Itajaí-Mirim dentro do Comitê da Bacia do Rio Itajaí-Açu, além de começar buscar alternativas para a coleta águas para abastecer as comunidades dos municípios que integram a bacia.

“Foi um grande passo para a gente começar enfrentar o problema que é visível que é a qualidade da água oferecida a população, a gente sabe que depois de tratada a água é boa, mas antes disso precisa de um acompanhamento”, afirmou Naatz.

Sobre a barragem de Botuverá, o deputado apresentou a proposta, avaliada como “um sonho”, de se construir um aqueduto com cerca de 70 quilômetros, que viria da barragem para abastecer o município de Itajaí. “Não acho muito, porque no estado já há uma adutora com mais de 70 quilômetros, que é na região de Chapecó. É questão de conversar, dialogar, chamar o estado para responsabilidade e trabalhar.”

Deputado Coronel Mocellin (Republicanos) ressaltou que reside na região há mais de 25 anos e acompanhou várias crises hídricas no rio Itajaí-Mirim e a questão da poluição e a dos arrozais, lembrando que já foram apresentados vários programas para melhorar a qualidade da água e possibilitar o fornecimento de maior quantidade de água para a região. Enfatizou que há cerca de um mês que o governo do Estado assinou com a Casan o lançamento de um edital no valor de aproximadamente R$ 110 milhões para a construção da Barragem de Botuverá. A obra, que faz parte do Planejamento Hídrico do Estado de Santa Catarina, deve beneficiar os municípios de Botuverá, Brusque, Itajaí e Balneário Camboriú.

Essa obra, explicou o parlamentar, terá a finalidade de contenção das cheias e também será um reservatório de águas para quando houver necessidade. Disse ainda que o governo também está trabalhando na dragagem do rio Itajaí-Mirim, no leito antigo, que está assoreado e que precisa de uma limpeza. “Fazendo a barragem de Botuverá, a recuperação da mata ciliar e a dragagem do rio, acredito que vamos solucionar em bastante o problema.”

O vice-prefeito de Itajaí, Marcelo Sodré (PDT), defendeu a criação de um comitê de discussão permanente da Bacia do Rio Itajaí-Mirim, que é fonte de água pública que abastece os municípios de Botuverá, Brusque, Itajaí e Navegantes. “Todas essas cidades extraem água para seu consumo deste rio e não existe uma polícia ambiental que o fiscalize diariamente, temos indústrias jogando resíduos químicos, a agricultura jogando veneno nas águas e parece que não é nele que pegamos a água para o nosso consumo.”

Sodré avaliou a audiência promovida pela Comissão de Turismo e Meio Ambiente da Alesc como positiva para região. “Discutir a água e os nossos mananciais é discutir a nossa sobrevivência, a água é fundamental à vida, sem a água nada de nossas belezas naturais existiria. Precisamos discuti constantemente como vamos estar tratando os nossos mananciais”. O vice-prefeito já foi presidente do Serviço Municipal de Água, Saneamento Básico e Infraestrutura de Itajaí (Semasa), por mais de cinco anos.

Ney Bueno
Agência AL

Voltar