Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
29/08/2019 - 16h18min

Fórum discute validação de diplomas e turismo terrestre no Mercosul

Imprimir Enviar
Fronteira entre Brasil e Argentina, em Dionísio Cerqueira; evento discute turismo terrestre entre os países do Mercosul. FOTO: James Tavares/Secom

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina será palco, nesta sexta-feira (30), do Fórum de Qualificação de Graduações e Facilitação do Turismo Terrestre no Mercosul. O evento é realizado em conjunto pela Escola do Legislativo Deputado Lício Mauro da Silveira, União Nacional dos Legisladores e dos Legislativos Estaduais (Unale) e União dos Parlamentares Sul-Americanos e do Mercosul (UPM).

As atividades começam a partir das 9 horas, no Plenário Deputado Osni Régis.  Haverá debates sobre os títulos e certificados das universidades do Mercosul. A ideia é discutir uma equalização das grades curriculares, para facilitar a revalidação de diplomas de profissionais que migrarem dentro dos países do bloco.

Na tarde, as atenções voltam-se para a facilitação do turismo terrestre em Santa Catarina e nos países do Mercosul. De acordo com o deputado Kennedy Nunes (PSD), presidente da Unale, a grande movimentação de turistas argentinos, uruguaios e, ultimamente, também de paraguaios na região demanda maior cuidado com questões cotidianas.

Ele deu o exemplo de uma família argentina que encontrou recentemente na praça de pedágio da BR-101 em Tijucas. Os turistas – que tinham alugado uma casa em Bombinhas e resolveram passear em Florianópolis – gastaram todo o dinheiro brasileiro que tinham na Capital e só havia sobrado cartão e dólares.

“Eles estavam parados em Tijucas porque não tinham R$ 1,60 para pagar o pedágio”, contou o deputado. “Por que não instalar uma máquina de débito?”, questionou.

Voltar