Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
24/08/2017 - 11h28min

Fechamento de frigorífico da JBS no Sul do estado repercute na tribuna

Imprimir Enviar

FOTO: Eduardo G. de Oliveira/Agência AL

A notícia do fechamento do Frigorífico Tramonto, sediado em Morro Grande, no Extremo Sul Catarinense, deve mobilizar as autoridades catarinenses nos próximos dias. O apelo foi feito na tribuna pelo deputado José Milton Scheffer (PP), durante a sessão ordinária desta quinta-feira (24). O parlamentar alertou para o impacto econômico do fechamento da unidade, que pertence à JBS e emprega 700 dos 4 mil habitantes do município.

“Toda a cadeia da avicultura se instalou no município em função da presença do frigorífico. São 300 agricultores que investiram em aviários para atender essa indústria, e agora serão os primeiros a sofrer as consequências”, disse Scheffer. Na opinião dele, é preciso fazer uma avaliação dessa cadeia produtiva que tem grande impacto na economia de Santa Catarina. O deputado pretende alertar e pedir ajuda às autoridades estaduais e federais para tentar encontrar uma solução.

“A responsabilidade da JBS com a região e com os trabalhadores não pode acabar simplesmente com o fechamento dessa unidade”, ressaltou. O Frigorífico Tramonto foi comprado pela JBS com dinheiro público, financiado pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), conforme o parlamentar. A empresa enfrenta uma crise após a revelação do escândalo de corrupção que envolve políticos integrantes do governo federal, inclusive o presidente Michel Temer.

Centenário de Chapecó
O centenário de Chapecó, comemorado nesta sexta-feira (25), foi comentado na tribuna pela deputada Luciane Carminatti (PT). Ela foi autora do requerimento de uma sessão solene que será realizada no município pela Assembleia Legislativa na noite de hoje, na qual serão homenageadas 29 personalidades e entidades. “Na impossibilidade de homenagear a todos, o nosso critério de seleção foi o pioneirismo”, explicou. A parlamentar destacou os pontos fortes da “Capital do Oeste”, uma das cinco cidades mais importantes do estado, que tem aproximadamente 210 mil habitantes e se configura como polo regional em segmentos como educação e saúde, sendo referência para uma população regional estimada em 2 milhões de habitantes.

Os demais deputados presentes no plenário se associaram à homenagem ao município.

Mutirão de cirurgias
O deputado Valdir Cobalchini (PMDB) citou como exemplo para Santa Catarina o mutirão de cirurgia de catarata realizado em São Lourenço do Oeste, iniciativa que já teve três etapas. O deputado presenciou o trabalho realizado na última semana. “Em um único mês, já fizeram mais de 700 cirurgias, tudo bancado com recursos do SUS [Sistema Único de Saúde]”, atestou. O mutirão foi possível graças a um consórcio intermunicipal de saúde, modelo que deveria ser seguido para zerar as filas de cirurgia, na opinião do parlamentar. “Víamos no semblante das pessoas a felicidade após o procedimento cirúrgico porque saíam de lá enxergando.”

Investimentos em educação
O deputado Mario Marcondes (PSDB) informou que protocolou na Assembleia Legislativa um projeto de lei (PL 286∕2017) com o objetivo de excluir da base de cálculo das despesas computadas pelo governo do Estado na área da educação o pagamento feito aos servidores inativos. Conforme prescreve a Constituição, o pagamento dos inativos deve ser computado como aposentadoria, mas o governo do Estado lança esse valor como investimento para alcançar o percentual obrigatório (25%) para a área. “De 2009 a 2016, R$ 4,7 bilhões deixaram de ser investidos em educação”, disse Marcondes, que acusou o governo de “mascarar” a contabilidade. “O resultado disso é a situação de abandono das escolas”, apontou.

Eletrobras
“O governo Michel Temer, que entrou pela porta dos fundos, quer liquidar o patrimônio nacional. Agora chegou a vez da Eletrobras”, disse a deputada Luciane Carminatti sobre o anúncio da privatização da estatal de energia. Ela leu na tribuna uma carta da ex-presidente Dilma Rousseff,que considera a venda da Eletrobras um crime contra a soberania nacional, a segurança energética e o povo brasileiro. “A venda da maior empresa de energia elétrica é um delito que deveria ser tratado como traição à nação”, replicou. Carminatti desmentiu a informação de que a Eletrobras supostamente precisa ser vendida porque os governos do PT acumularam déficit ao reduzir a conta de energia. Segundo a deputada, a redução das tarifas de energia elétrica é uma obrigação prevista nos contratos de construção das hidrelétricas. “É uma questão de justiça e honestidade com a população reduzir o preço da energia porque as pessoas pagaram durante 30 anos pelos investimentos feitos”, explicou.

Morte de Getúlio
O aniversário da morte de Getúlio Vargas, ocorrida no dia 24 de agosto de 1954, foi lembrado pelo deputado Rodrigo Minotto (PDT). Com um discurso entusiasmado, Minotto relatou a carreira militar, a cultura e o estilo do ex-presidente, que chegou pela primeira vez ao poder em 1930. “O PDT se orgulha de Getúlio Vargas e do trabalhismo histórico, cujo capital político são os trabalhadores. Getúlio é fonte de inspiração e respeito.”

Lisandrea Costa
Agência AL

Voltar