Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
15/06/2022 - 16h23min

Deputados se revoltam com morte de bebê e criticam rodovias

Imprimir Enviar
Sessão ordinária da tarde desta quarta-feira (15)
FOTO: Bruno Collaço / AGÊNCIA AL

A morte de um bebê na fila de espera por um leito de UTI Neonatal disparou uma onda de críticas na sessão de quarta-feira (15) da Assembleia Legislativa. A situação de rodovias federais e estaduais também foi alvo de queixas dos parlamentares.

“O desespero de uma mãe que perdeu seu bebê com dois meses de idade porque o estado de Santa Catarina não tem leito de UTI. Os profissionais fizeram das tripas coração para encontrar um leito de UTI para essa criança, mas a Secretaria de Saúde (SES) é um campo de incapazes e de assassinos, miseráveis assassinos é o que vocês são”, discursou Ivan Naatz (PL).

Bruno Souza (Novo) apoiou Naatz e acusou a SES de falta de planejamento

“Para quem depende da saúde pública é um dia de pesar e para uma mãe é um dia de luto, uma mãe que perdeu seu filho esperando uma UTI nesse final de semana por falta de planejamento”, cravou Bruno.

Segundo o deputado, em fevereiro, a SES informou que a demanda por leitos de UTIs neonatais “era atípica, pontual e sazonal”.

“Não se admitiu o problema na ocasião, mas em 20 de março o estado estava com 99% de ocupação em UTIs neonatais, havia apenas dois leitos disponíveis. Só no dia 25 de maio a Superintendência resolveu se questionar sobre o que estava sendo feito”, relatou Bruno.

Silvio Dreveck (PP) ponderou as fragilidades do poder público, mas defendeu os serviços prestados pelos municípios, estados e União.

“Se as famílias que não têm poder aquisitivo elevado não tivessem uma creche pública para deixar suas crianças? Se não tivesse a escola pública? Se não tivesse o poder público, como as pessoas sem dinheiro e sem poder aquisitivo acessariam uma consulta, um medicamento, um exame, um internamento? Mesmo que não seja um serviço de primeira qualidade, não pelos profissionais, mas pelo sistema de saúde, é indispensável”, argumentou Dreveck.

Infraestrutura
Ivan Naatz lamentou o estado da SC-405, que liga São Lourenço do Oeste a Campo Erê.

“Um tema recorrente no Oeste, que preocupa toda uma região e que inacreditavelmente não é resolvido. Temos a tal da Bancada do Oeste, temos um deputado que já foi secretário de Infraestrutura e deputados que vivem na região e estamos acompanhando desde junho do ano passado uma tragédia na SC-305”, discursou Naatz, que exibiu fotos dos buracos da rodovia.

Mauro de Nadal (MDB) concordou com Naatz sobre a situação crítica da rodovia e noticiou que a recuperação começará em breve.

“É a pior de Santa Catarina e agora vai acontecer”, garantiu o ex-presidente da Casa.

Milton Hobus (PSD) lembrou que além de rodovias estaduais, há trechos de rodovias federais que também estão intransitáveis.

“Nas rodovias federais e estaduais a gente precisa de 4 x 4. Na BR-282 de Ponte Serrada a Irani as panelas na pista são impressionantes e nessa semana mais dois idosos perderam a vida na BR-470. As estatísticas são terríveis, não temos dúvida que a maior parte das mortes acontece durante o dia, com visibilidade, porque todo mundo tem de ficar fazendo ziguezague para desviar de buracos”, indicou Hobus.

O representante de Rio do Sul afirmou que “todos os projetos de manutenção” de rodovias estão atrasados, mas informou o início da manutenção da rodovia que liga Ituporanga a Rio do Sul.

Jerry Comper (MDB) também noticiou o início de obras de recuperação de rodovias.

“Ontem começou uma obra importante em Imbuia, são só 900 metros, mas uma contenção muito grande de rochas e por lá passam mais de 200 caminhões por dia. Quero parabenizar o secretário Thiago Vieira, o governador Moisés, uma obra aguardada há mais de 10 anos”, revelou Jerry, que também ressaltou a publicação de licitação para pavimentar a estrada que liga Ituporanga a Atalanta.

Fernando Krelling (MDB) agradeceu o repasse de R$ 3,5 milhões do governo do Estado à Prefeitura de Joinville para a pavimentação da via que liga os bairros de Paranaguamirim e Ulisses Guimarães.

“Uma ligação importante e temos de ser gratos”, declarou Krelling, referindo-se ao governador Carlos Moisés.

17ª Festa do Agricultor e do Motorista
Volnei Weber (MDB) convidou os colegas e os catarinenses para prestigiarem a 17ª Festa do Agricultor e do Motorista, que acontecerá nos dias 17, 18 e 19 de junho, na comunidade de Taipa, no município de Orleans

“Vamos comemorar o homem que levanta cedo, que não tem sábado, feriado, domingo e que também deita tarde, mas que garante o café na mesa. Mas sem os nossos motoristas o café não chega, todos os segmentos são importantes. A comunidade da Taipa vai estar de braços abertos para receber quem decidir confraternizar conosco”, afirmou Weber.

Casas entregues
Sargento Lima (PL) comemorou na tribuna a entrega de 244 casas populares em São Bento do Sul.

“Casa Verde e Amarela é um importante programa que tive oportunidade de acompanhar de perto as conclusões de um trabalho. Em São Bento do Sul foram entregues 244 residências a pessoas que estavam em situação de fragilidade”, informou Lima.

“Entregar casa é entregar dignidade e entregar bem feito é a marca do governo Bolsonaro, um momento ímpar”, concluiu Ivan Naatz.

Sequelas da Covid
Sargento Lima contou na tribuna que um cidadão de Joinville que teve Covid há cerca de um ano aguarda na fila uma cirurgia para recolocar no lugar parte dos intestinos.

“Um ano e dois meses com as vísceras expostas, se isso não é prioridade, gostaria de entender o que é uma prioridade. A paciência da gente tem limite, a saúde é o nosso bem mais valoroso”, calculou Lima.

Um ano da Procuradoria da Mulher
Ada de Luca (MDB) celebrou na tribuna a passagem de um ano da criação da Procuradoria da Mulher na Assembleia Legislativa.

“No dia 16 será um ano de instalação, assumi a missão de ser a procuradora do Estado, tendo como adjunta a deputada Marlene Fengler (PSD). Levamos essa ferramenta de 23 para mais de 60 procuradorias municipais, com uma dezena em instalação. Mas precisamos do apoio e aprovação das Câmaras de Vereadores e muitos vereadores não conseguem deixar o machismo. É uma vergonha o machismo que tenho encontrado”, confessou Ada.

Marlene Fengler concordou com a colega.

“Faz um ano que foi aprovada, uma luta da Bancada Feminina e hoje a nossa luta é a instalação da procuradoria nas câmaras de vereadores”.

Rol taxativo
Neodi Saretta (PT) criticou a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que reconheceu o chamado rol taxativo, isto é, apenas os procedimentos listados pela Agência Nacional de Saúde (ANS) devem ser cobertos pelos planos de saúde.

“A reivindicação era de que o rol fosse exemplificativo e não taxativo. A decisão vem na contramão das necessidades da população que tem plano de saúde, porque acaba limitando o atendimento e vai atingir milhares de catarinenses, pessoas idosas, com doenças raras, crônicas, autistas, casos específicos de radioterapia e quimioterapia. Entendo que deva ter essa discussão no STF para repensar isso”, avaliou o presidente da Comissão de Saúde.

Juro zero para o agricultor
Milton Hobus comemorou a sanção de projeto de lei de sua autoria que cria o empréstimo a juro zero para os produtores rurais que perderam a safra por causa de pragas.

“Propusemos um projeto de lei para o empréstimo a juro zero para os nossos agricultores que perdem a lavoura. O que inspirou foi a praga da cigarrinha do milho, aprovamos e que bom que o governo sancionou essa lei. Agora o agricultor que teve perdas provocadas pelas pragas pode pedir um financiamento do governo para plantar a próxima safra com juro zero”, anunciou Hobus.

Nota de repúdio
Ivan Naatz (PL) repudiou a decisão de comissão especial criada no âmbito do Executivo para apurar as responsabilidades de servidores públicos no imbróglio da compra dos respiradores por R$ 33 milhões, em 2020.

“Inacreditável que a CPI tenha verificado responsabilidades diretas e indiretas, desde o procurador até os servidores da saúde que trabalharam na compra com dispensa de licitação dos R$ 33 mi, é inacreditável e revoltante que a comissão tenha chegado a essa conclusão”, disparou Naatz, que recebeu o apoio do deputado Bruno Souza.

Vítor Santos
Agência AL

Saiba Mais

Voltar