Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
08/06/2022 - 16h54min

Alesc debate falta de UTIs pediátricas e escassez de medicamentos

Imprimir Enviar

FOTO: Bruno Collaço / AGÊNCIA AL

Integrantes das bancadas do PL, União Brasil e do PT debateram a falta de leitos de UTIs e a escassez de medicamentos em Santa Catarina durante a sessão de quarta-feira (8) da Assembleia Legislativa.

“Hoje ouvi na rádio CBN uma entrevista com a presidente estadual da Associação Médica de Pediatria. Santa Catarina está com problema com leito de UTIs, principalmente pediátrico. São muitos casos de crianças prematuras e quase 100% delas precisam de leito de UTI. É inadmissível que o estado depois de conseguir instalar 1,5 mil leitos para UTI Covid desative esses leitos, que voltemos ao número originais de leitos”, criticou Maurício Eskudlark (PL).

O parlamentar destacou o aumento de casos de doenças respiratórias e lamentou que o estado apresente a pior situação entre os integrantes da região Sul.

“Agora anunciaram que vão criar até 68 leitos em um prazo de 90 dias, mas quantas pessoas podem morrer no prazo de instalação desses leitos?”, questionou Eskudlark.

Neodi Saretta (PT), presidente da Comissão de Saúde, concordou com o colega e acrescentou a falta de medicamentos.

“Temos UTIs lotadas, temos uma defasagem histórica e agora a questão urgente da falta de medicamentos, principalmente os antibióticos, antiinflamatórios e analgésicos em farmácias, postos e hospitais. O estado vive um aumento da procura e a falta já causa preocupação”, relatou Saretta.

Segundo o parlamentar, as justificativas para a escassez recaem sobre a China e a Índia, que estariam produzindo menos medicamentos, e na guerra da Ucrânia.

“É preciso que o Ministério da Saúde e a Secretaria da Saúde vejam isso, está causando apreensão”, alertou Saretta.

“Banheiro de gênero”
Jessé Lopes (PL) lamentou a repetição de assuntos, mas voltou a criticar a chamada ideologia de gênero, agora motivado pela inauguração de um “banheiro de gênero” na sede da OAB/SC, na capital.

“Sempre que você dá direitos a grupos de pessoas, está automaticamente criando deveres para outras pessoas, por causa do direito de 1%, os outros 99% terão de aceitar. Prefiro que um gay divida o mesmo banheiro que eu, do que correr o risco de um vagabundo que se sentiu mulher entrar em banheiro com meninas”, afirmou Jessé.

Maurício Eskudlark também criticou a Ordem dos Advogados.

“Um tiro no pé, sou advogado e não concordo com esse posicionamento, temos o problema que hoje o assédio virou uma coisa muito complicada, qualquer gesto pode ser interpretado como assédio”, ponderou o ex-delegado-geral de Polícia.

Osmar Vicentini (União) acompanhou os membros do PL.

“Tantos problemas sérios, daqui a pouco será vergonhoso a gente dizer que tem uma esposa. Talvez os melhores amigos meus sejam gays, mas nós temos que viver para multiplicar. Daqui a pouco a população vira toda dessa forma. Temos um órgão dado por Deus e que tem de ser respeitado por toda a nossa vida, quando não há mais cruzamento, quando não há mais procriação, é o começo do fim”, discursou o representante de Guabiruba.

Botuverá 60 anos
Vicentini parabenizou a população de Botuverá pela passagem de 60 anos de emancipação política do município.

“Parabéns a Botuverá, amanhã completa 60 anos, parabéns a todo o povo, especialmente os que acreditaram no município, os primeiros prefeitos e vereadores, que assumiram um município com um carrinho de mão, uma enxada e uma alavanca”, descreveu Vicentini.

O parlamentar convidou os colegas para sessão solene alusiva ao aniversário do município, que acontecerá nesta quinta-feira (9).

“Queria contar com a presença dos nobres deputados, quem puder passar por lá, será uma grande honra, será um momento histórico e marcará muito para todos nós”, garantiu Vicentini.

Ar condicionado que não funciona
Marcius Machado (PL) cobrou da Secretaria de Estado da Educação (SED) a substituição da rede elétrica de escolas de Rio Rufino e Lages para que os aparelhos de ar condicionado possam funcionar, minimizando o frio que atinge a região Serrana.

Emendas impositivas
Marcius voltou a reivindicar o pagamento de emendas impositivas que subscreveu, principalmente as relativas às demandas da EEB Maria Quitéria, de Lages, assim como a instalação de um toldo na Escola Nossa Senhora, de Correia Pinto.

Pagamento fundo a fundo
Marcius também defendeu proposta de emenda à Constituição de sua autoria que prevê que as emendas impositivas possam ser transferidas para os hospitais filantrópicos na modalidade fundo a fundo, como já ocorre com os municípios.

“Está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o deputado Mauro de Nadal (MDB) é o relator, espero que tramite o mais rápido possível para alterar a Constituição”, declarou o representante de Lages.

Pautando a imprensa
Bruno Souza (Novo) criticou a imprensa por dar espaço aos críticos do ensino domiciliar e por não chamar para o debate os defensores do ensino em casa.

“A imprensa dando espaço para os críticos e não chamando os que apoiam, especialistas em educação falando em educação domiciliar, mas o que leram? Os estudos que apontam os números, é apenas achismo, baseado na mera opinião, desmoralizam e demonizam a família educadora”, afirmou Bruno, que culpou a parte da imprensa que não gosta da “direita” pela falta de espaço midiático.

 

Vítor Santos
Agência AL

Voltar