Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
16/03/2022 - 16h32min

Números mostram uma coisa e o Governo Moisés vende outra à população

Imprimir Enviar
Deputado Sargento Lima
FOTO: Bruno Collaço / AGÊNCIA AL

Pelos números apresentados sobre as finanças do Estado, o Governo Moisés deve estar sofrendo alguma confusão mental. É o que disse o deputado Sargento Lima (PL), nesta quarta-feira (16), ao avaliar a reunião da Comissão de Finanças da Alesc com o secretário da Fazenda, Paulo Eli. Os gráficos mostram o aumento das despesas e o governo fala em economia de recursos, afirmou o parlamentar.

Sargento Lima disse que o Governo Moisés aumentou as despesas em vários setores, especialmente criando cargos, concedendo gratificações à elite do funcionalismo ou transpondo servidores de um cargo para outro sem concurso público. “Isso dará um impacto de R$ 1,2 bilhão nas contas do Estado, e o governo fala em redução de despesas. Está sendo formada, com o dinheiro público, uma nova classe de ricos em SC, bancados pela contribuição da população mais pobre”, enfatizou o parlamentar.

O deputado explicou que os números mostram que o Estado conseguiu reduzir o comprometimento com a folha de pagamentos. Porém, o motivo não é o sustentado pelo governo. “A inflação aumentou, os preços estão mais altos, o governo arrecada impostos pelos preços altos e, assim, a arrecadação subiu, diminuindo o comprometimento com a folha. Não há mérito nenhum nisso”, comentou Sargento Lima.

Nas reuniões com o secretário da Fazenda, os deputados costumam ouvir um relatório de números e, só depois, recebem uma pasta com os gráficos. O único ponto positivo da reunião desta quarta-feira com o secretário, frisou Lima, é que, a partir do próximo encontro, os membros da Comissão de Finanças vão receber os números antes, poderão estudá-los, e usarão o tempo do encontro para questionar o secretário.

Acompanhe Sargento Lima


Sargento Lima
Voltar