Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Serviço temporariamente em manutenção.
Acompanhe a programação da TVAL pelo Youtube.


Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
28/11/2012 - 14h39min

“Governo corta R$ 37 milhões do orçamento da Educação”, denuncia Luciane Carminatti

Imprimir Enviar
Deputada Luciane Carminatti (PT)

Mais uma vez o governo do Estado mostra que a Educação não é prioridade em Santa Catarina. No último dia 23/11, sob o Decreto nº 1.266, o Estado cortou do orçamento da educação R$ 37,6 milhões.
Foram cortados R$ 9,6 milhões do sistema de avaliação de desempenho educacional; R$ 3 milhões da certificação de profissionais para educação; R$ 7 milhões do reaparelhamento da unidade escolar; R$ 8 milhões da construção, ampliação ou reforma de unidades escolares e R$ 10 milhões da alimentação escolar.
“Falta de responsabilidade e a falta de gestão do atual governo é uma vergonha”, diz a educadora e deputada Luciane Carminatti (PT). A parlamentar questiona, “que tipo de gestão está sendo feita? A impressão que temos é que o governo não tem controle dos gastos e investimentos, pois tira de uma área para colocar em outra”, ressalta a deputada.
Os recursos da Educação foram remanejados para o Corpo de Bombeiro Militar e Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina S/A.

Escolas abandonadas
Luciane comenta que a maior parte das escolas estaduais está em condições precárias. “Desde o ano passado estamos denunciando a situação das escolas. Através da Comissão de Educação, Cultura e Desporto, na qual sou vice-presidente, realizamos visitas para conhecer a realidade das escolas. O que vimos nos deixou indignados e tristes. Escolas com a estrutura comprometida, com infiltração, sem segurança nenhuma, fiação elétrica expostas, iluminação inadequada, rachaduras e mofo nas paredes”, relata a parlamentar.
As visitas ocorreram em todas as regiões do estado, e através delas, será elaborado um dossiê para ser entregue ao Ministério Público denunciando a atual situação dos educandários.

Pagamento do piso
“O Estado não senta para negociar com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte) a valorização da carreira do magistério, entra com Ação Direta de Inconstitucionalidade contra o critério de reajuste do Piso Salarial, afirmando que não tem dinheiro para cumprir o que a lei determina. Agora como ele vai explicar o remanejamento dos R$ 35 milhões para outras áreas?”, questiona a deputada Luciane.
A deputada ressalta que recursos existem, o que falta é vontade política. “A educação não é prioridade para o governo, por isso ele não respeita e não investe em políticas e ações para termos uma educação de qualidade e de valorização dos profissionais”, finaliza.

Acompanhe Luciane Carminatti


Luciane Carminatti
Voltar