Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
11:00 Em Discussão
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
11/10/2019 - 17h16min

Projeto sobre APA do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro tramita na Alesc

Imprimir Enviar
PL trata da regularização fundiária de áreas urbanizadas no entorno do parque, que sofreu com incêndios nas últimas semanas. FOTO: Divulgação/CBMSC

Atingido por incêndios nas últimas semanas, o Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, na Grande Florianópolis, é tema de um projeto de lei (PL) de autoria do Poder Executivo que está em tramitação na Assembleia Legislativa. Trata-se do PL 214/2017, pelo qual o Estado doa quase dois mil hectares para a Prefeitura de Palhoça, no entorno do parque, para que o município faça regularização fundiária da região.

Conforme o projeto, o Estado de Santa Catarina doará a Palhoça uma área de 215 hectares e um imóvel de 1.960 hectares, este localizado na área denominada Campos de Araçatuba, do qual o Estado é possuidor desde o ano de 1728. Ficam excluídas dessa doação das faixas de domínio das rodovias federais e estaduais, bem como os terrenos de marinha.

O objetivo da doação, conforme o projeto, é permitir que a Prefeitura de Palhoça, onde estão situados dos imóveis, faça a regularização fundiária da parte litorânea e urbanizada inserida no perímetro da Área de Proteção Ambiental (APA) do Entorno Costeiro do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro. O município terá 20 anos para concluir a regularização, sob pena de perder essas áreas.

Todo processo de regularização, de acordo com o texto do PL 214/2017, deverá seguir a Lei Estadual 14.661/2009, que redefiniu os limites do parque estadual e estabeleceu a APA do Entorno Costeiro. Na exposição de motivos do projeto, o governo estabelece que  o município deverá, também, “proteger o patrimônio cultural do Estado, em virtude de o imóvel estar tombado pelo Patrimônio Paisagístico do Estado”.

A APA do Entorno Costeiro, de acordo com a Lei 14.661/2009, tem uma área total aproximada de 5.260 hectares e foi constituída para possibilitar o desenvolvimento sustentável das comunidades que ali vivem; o ordenamento da ocupação, uso e utilização do solo e das águas; o disciplinamento do uso turístico e recreativo, bem como a proteção e a recuperação ambiental das áreas ocupadas.

O PL 214/2017 deu entrada na Assembleia em 2017, foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), mas não chegou a ser votado em plenário. Em janeiro deste ano, com o fim da legislatura, foi arquivado, porém, conforme requerimento do governo estadual, de agosto desse ano, foi desarquivado e voltou a tramitar. Atualmente, está na Comissão de Finanças e Tributação.

O pedido para desarquivamento ocorreu logo após o Executivo editar o Decreto 179, de 15 de julho de 2019, que regulamenta e define diretrizes para a implantação da APA do Entorno Costeiro. O documento estabelece o funcionamento da administração e do conselho deliberativo da APA, que coordenará a elaboração do plano de manejo da área.

Marcelo Espinoza
Agência AL

Voltar