Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
21/09/2022 - 17h00min

Diminui o número de partidos que disputam uma vaga na Alesc

Imprimir Enviar
Sede do TSE em Brasília; dos 35 partidos políticos com registro no tribunal, 27 têm candidatos na disputa pela Alesc. FOTO: TSE/Divulgação

Se o número de candidatos a deputado estadual em Santa Catarina é recorde nestas eleições, a quantidade de partidos políticos que brigam por uma cadeira na Assembleia Legislativa diminuiu na comparação com os dois últimos pleitos. Os dados estão disponíveis no Sistema de Divulgação de Candidaturas e de Prestação de Contas Eleitorais (DivulgaCandContas 2022) do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Sistema de Histórico das Eleições (SHE) do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC).

Em 2022, 27 partidos vão disputar as 40 vagas da Alesc. Em 2018, foram 33 legendas, o que representou um recorde desde a instituição do bipartidarismo, em 1966. Já em 2014, 30 partidos disputaram a eleição para deputado estadual.

A redução no número de legendas pode ser explicada pelo fim das coligações. Até 2018, os partidos conseguiam se reunir e juntar forças para brigar por mais vagas na Assembleia, mesmo que não tivessem afinidade ideológica entre si. Isso beneficiava principalmente os partidos pequenos que, se concorressem de forma isolada, teriam mais dificuldade em conquistar ao menos uma cadeira no Parlamento.

Sem as coligações, as legendas de menor porte têm que disputar de forma isolada, o que tende a tornar a eleição mais complexa, principalmente pela dificuldade de se formar chapas com nomes de candidatos fortes e competitivos, na quantidade necessária para se atingir o quociente eleitoral (número mínimo de votos que um partido precisa garantir, ao menos, uma cadeira no Legislativo).

Histórico
Assim como em todo o país, em Santa Catarina, de 1966 a 1978, as eleições foram disputadas entre Aliança Renovadora Nacional (Arena) e Movimento Democrático Brasileiro (MDB). O bipartidarismo, instituído pelo regime militar logo após as eleições estaduais de 1965, extinguiu os partidos existentes até então (UDN, PSD, PTB, entre outros) e reduziu o espectro político nacional a duas legendas. A Arena era considerada situação, e o MDB, a oposição.

Após ser bem-sucedida nas primeiras eleições, a Arena perdeu espaço para o MDB em 1974 e 1978. A crise econômica enfrentada pelo país e a repressão aos opositores desgastaram a imagem do regime. Em 1979, o governo encaminhou para o Congresso Nacional o projeto que pôs fim ao bipartidarismo. Da Arena, surgiu o PDS e posteriormente o PFL. O MDB se transformou no PMDB.

A partir de 1982, as eleições voltaram a ser pluripartidárias. Em Santa Catarina, cinco partidos disputaram as vagas na Alesc: PMDB, PDS, PTB, PDT e PT. Em 1986, esse número subiu para nove, e aumentou de forma ininterrupta até 2002, consequência da fragmentação do sistema partidário nacional, que atualmente soma 35 legendas com registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e aptas a participarem de eleições.

Confira os partidos que disputam a eleição para a Assembleia (por ordem alfabética):

  • Avante
  • Cidadania
  • DC (Democracia Cristã)
  • MDB
  • Novo
  • Patriota
  • PCdoB
  • PCO
  • PDT
  • PL
  • Podemos
  • PP
  • Pros
  • PRTB
  • PSB
  • PSC
  • PSD
  • PSDB
  • Psol
  • PSTU
  • PT
  • PTB
  • PV
  • Rede
  • Republicanos
  • Solidariedade
  • União Brasil
Marcelo Espinoza
Agência AL

Voltar