Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
29/09/2020 - 10h45min

Comissão entra na defesa das pequenas propriedades agrícolas de SC

Imprimir Enviar
Em reunião virtual, membros da Comissão de Agricultura decidem combater ADI que pretende anular aspectos do Código Florestal
FOTO: Solon Soares/Agência AL

A Comissão de Agricultura e Política Rural da Assembleia Legislativa de Santa Catarina decidiu entrar no combate à Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6466/2020. O ato, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) prevê a nulidade de dispositivos do Código Florestal para fazer valer a Lei da Mata Atlântica, impedindo a continuidade de atividades de baixo impacto em Áreas de Preservação Permanente (APP). Se isso ocorrer, o efeito na agricultura catarinense será avassalador, com o potencial de provocar um êxodo rural de cerca de 250 mil pessoas, praticamente acabando com a agricultura familiar nas regiões Oeste e Extremo Oeste do Estado.

Presidente do colegiado, o deputado José Milton Scheffer (PP) propôs a manifestação de contrariedade à ADI ao relator da matéria no STF, ministro Luiz Fux, expondo a visão de Santa Catarina sobre o impasse; um pedido de auxílio ao Fórum Parlamentar Catarinense para mostrar no Congresso Nacional os efeitos incorrigíveis caso a alteração seja efetuada; e a mobilização das comissões de Agricultura do Paraná e Rio Grande do Sul, estados cujos ecossistemas e estruturas fundiárias são semelhantes e que também serão prejudicados.

O deputado Moacir Sopelsa (MDB) defendeu também que o encaminhamento tomado nesta terça-feira seja aprovado no plenário da Alesc, além da necessidade de uma manifestação do governo de Santa Catarina para dar mais força ao movimento. Para a deputada Marlene Fengler (PSD), se a mudança se tornar realidade, “vai ser uma catástrofe” o que ocorrerá no Oeste e Extremo Oeste. “Temos que estimular a permanência dos jovens e pequenos agricultores no campo, evitando o êxodo rural. É uma questão social muito grave e também da tradição e da nossa cultura. São nossas origens que estão em risco”, comentou, citando que vai levar a questão também para o conhecimento e envolvimento da Bancada do Oeste.

O deputado Coronel Mocelin (PSL) defendeu que é necessário fazer o que é possível “e não o que ideologicamente se defende sem conhecer a realidade”. Na opinião dele, quem decide em âmbito federal a vida dos agricultores “estudou, passou em um concurso, mas tomou a decisão em um gabinete”, sem conhecer o que acontece em cada estado do país.

A decisão foi tomada na reunião virtual da comissão de Agricultura da Alesc, na manhã desta terça-feira (29), levando em conta relatório do diretor da Agricultura Familiar e da Pesca da Secretaria de Estado da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, Hilário Gottselig. De acordo com ele, as projeções surgiram após um estudo do Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia (Ciram) e do Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Cepa) da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri).

Os impactos foram projetados com a análise por georreferenciamento em 150 propriedades para ver o impacto das duas opções. A recuperação da mata ciliar em áreas consolidadas, segundo o Código Florestal Brasileiro, deve ser de 5 metros em propriedades de 1 módulo fiscal; de 8 metros nas que sejam de 1 a 2 módulos; e de 15 metros nas que tenham até 4 módulos fiscais. Com a mudança que a ADI defende, os valores passam para 30 metros em rios com cursos de até 10 metros de largura; 50 metros nos de 10 metros a 50 metros; 100 metros nos de 50 metros a 200 mmetros; 200 metros nos de 200 metros a 600 metros; e 500 metros para os que tenham curso acima de 600 metros de largura. Segundo Gottselig, 57,6% das propriedades rurais catarinenses serão inviabilizadas.

Tanto o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) quanto a Fundação SOS Mata Atlântica reconhecem que o caso de Santa Catarina é diferente do restante do país, pois 41% do território do estado é de mata nativa cuja recuperação está em estágio avançado, citou o diretor. De acordo com Gottselig, o reconhecimento como de interesse social a produção das propriedades nas margens dos rios Itajaí, Uruguai e Chapecó, por exemplo, desapareceria com essa mudança.

Para dar uma dimensão em termos financeiros, Gottselig citou que as propriedades voltadas à agricultura familiar de até 4 módulos fiscais, que representam 78% da produção agropecuária em Santa Catarina e geram atualmente R$ 17,67 bilhões por ano, vão deixar de produzir R$ 11,18 bilhões. O setor de agricultura empresarial (acima de 4 módulos), por sua vez, não terá diminuição.

Poluição veicular
Ainda na reunião, a Comissão de Agricultura aprovou a continuidade da tramitação do Projeto de Lei 6/2020, de autoria do governo do Estado. A matéria, relatada pelo deputado Volnei Weber (MDB), altera o artigo 183 da Lei 14.675, de 2009, que institui o Código Estadual do Meio Ambiente.

O tema, segundo o relator, é oportuno e conveniente ao interesse público, pois prevê a adequação da legislação estadual às normas federais, aprimorando a proteção ao meio ambiente em Santa Catarina. Pelo projeto, a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, em conjunto com o Detran, vai elaborar e implantar o Plano de Controle de Poluição Veicular, com atualizações periódicas. O texto agora vai tramitar em caráter terminativo na Comissão de Turismo e Meio Ambiente.

Alessandro Bonassoli
Agência AL

Voltar