Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Acompanhe a programação pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
15/08/2019 - 12h20min

Alesc debate mudança na lei esportiva de SC

Imprimir Enviar
Deputado Fernando Krelling comandou a audiência
FOTO: Eduardo G. de Oliveira/Agência AL

A participação de atletas de outros estados em competições organizadas pela Fundação Catarinense de Esporte (Fesporte) foi tema de uma audiência pública na Assembleia Legislativa. O debate, que ocorreu na manhã desta quinta-feira (15), teve como objetivo subsidiar o parecer do deputado Fernando Krelling (MDB). Ele é relator do Projeto 132/2018, de autoria do deputado Rodrigo Minotto (PDT), que prevê uma nova regulamentação para o setor.

Tema polêmico e antigo entre os desportistas do Estado, o assunto já foi alvo de várias legislações. O projeto atual determina que os competidores precisam ter dois anos de atuação em Santa Catarina, modificando a lei de 2017, que limita vagas para atletas oriundos de federações de outros estados.

Krelling solicitou a audiência pública por ser integrante da Comissão de Educação, Cultura e Desporto. “Antes de emitir o parecer, minha ideia é ouvir a comunidade esportiva, o Conselho Estadual de Esporte, os municípios, a  Fesporte e a Secretaria de Estado da Educação. As ideias virão. Nos bastidores a gente já sabe que há opiniões divergentes, mas isso tudo será importante para que se possa avaliar, fazer um estudo profundo e emitir esse parecer que, de uma vez por todas,  trará um caminho para o esporte catarinense”, avaliou o relator.

Um dos participantes do debate foi Rui Godinho da Mota, presidente da Fesporte. “Infelizmente, algumas decisões são tomadas sem ouvir o setor, o que acaba dificultando. Essa lei de 2017 nos trouxe problemas imensos, foi alvo de muitas discussões no Conselho Estadual de Desporto, para que a gente conseguisse adequar ao que previa a lei. Por isso, agradeço ao deputado Krelling por dar a oportunidade para que todos possam vir e falar. As coisas não podem vir decididas por lei sem ouvir as partes. Ele demontrou respeito ao esporte catarinense”, comentou.

Sobre o mérito do novo projeto, o dirigente mostra-se contrário ao teor. “Minha posição pessoal é que não possa haver limitação para os Jogos Abertos de Santa Catarina. Acredito que a competição tem que ser um dos maiores eventos esportivos do Brasil, se possível com campeões olímpicos, o que seria muito importante para dar visibilidade ao Estado." Na opinião dele, se for para reservar vagas aos atletas nativos do Estado, o ideal é utilizar a Olimpíada Estudantil Catarinense (Olesc) e os Joguinhos Abertos, onde se construiria a base.

Técnica de ginástica rítmica com vários títulos de Jogos e Joguinhos Abertos, Maria Helena Kraeski defende a preservação de espaço para atletas catarinenses. “Nossos atletas precisam ter ‘espelhos’, mas ‘espelhos’ que estejam presentes. O que acontece hoje são atletas de fora que vêm, competem, ganham medalhas e vão embora.” Treinadora da equipe de Florianópolis, ela citou o exemplo de Luisa Matsuo, que fez sua carreira na capital catarinense e chegou à equipe nacional que conquistou três medalhas de ouro na ginástica durante os Jogos Pan Americanos de 2007.

Ao final da audiência, o relator reforçou o pedido para que os dirigentes, secretários municipais de Esporte e representantes de federações e fundações enviem seus posicionamentos sobre o assunto. A partir disso, Krelling vai definir seu parecer final.

 

 

Alessandro Bonassoli
Agência AL

Voltar