Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ouvir
00:05 Programação Musical

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Sala de Imprensa


Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
09/11/2017 - 15h49min

Coruja é efetivado na Alesc e Salum assume como suplente

Imprimir Enviar

O deputado Fernando Coruja (PMDB) assumiu uma cadeira efetiva na Assembleia Legislativa, nesta quinta-feira (9), na vaga deixada pelo ex-deputado José Nei Ascari, agora conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. Coruja atuava como suplente desde o início da legislatura. A saída de Ascari possibilitou a ascensão do segundo suplente da coligação PMDB-PSD-DEM-PRB, Roberto Salum (PRB), também empossado durante a sessão ordinária, em ato lido pelo presidente da Casa, deputado Silvio Dreveck (PP).

Salum ocupa a vaga do deputado Moacir Sopelsa (PMDB), que comanda a Secretaria de Estado da Agricultura. Em 2016, Salum assumiu como suplente pelo período de 60 dias, e agora pretende desarquivar diversos projetos apresentados naquele período que não prosperaram nas comissões. Em pronunciamento na tribuna, ele apresentou-se como o deputado que fará a diferença no Parlamento catarinense, enfatizou que “será um deputado combativo em defesa do Parlamento” e incentivou o presidente Silvio Dreveck a prosseguir com o processo de compra de um imóvel para alocar as estruturas administrativas do Legislativo, hoje dispersas em prédios alugados, porque trata-se de uma medida que trará economia à Alesc.

Salum afirmou ainda que será aliado do governador Raimundo Colombo, dentro da lei, e que defenderá os companheiros da Polícia Civil, categoria da qual é oriundo, para que tenham evolução na carreira e possam se aposentar.

O novo deputado foi cumprimentado pelos colegas Mauricio Eskudlark (PR) e Milton Hobus (PSD). Hobus afirmou que “Salum faz bem ao Parlamento porque demonstra toda a pluralidade que o Parlamento deve ter para bem representar a população de Santa Catarina”.

Policiais civis
Na tribuna, Mauricio Eskudlark alertou que vão começar a ocorrer manifestações e protestos dos policiais civis e apelou ao governador do Estado e aos secretários de Segurança Pública e da Casa Civil para que “reconheçam o direito dos policiais e façam valer a aposentadoria com integralidade”. Conforme Eskudlark, os policiais militares são promovidos e se aposentam com integralidade, conforme prevê a lei, mas os policiais civis não estão sendo promovidos e não conseguem se aposentar.

Prevenção de desastres
Milton Hobus informou sobre o convênio assinado na quarta-feira (8) pelo governo de Santa Catarina e a Secretaria de Estado da Defesa Civil com a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), no total de R$ 20,7 milhões, para o mapeamento de todas as áreas de risco geológico e hidrológico com foco no planejamento urbano e prevenção de desastres. “O governo catarinense entrará com R$ 4 milhões e o restante virá do governo federal. Teremos uma força de trabalho de geólogos trabalhando nos 295 municípios de Santa Catarina”, disse. Os dados serão integrados em uma plataforma que receberá as informações de todos os municípios em tempo real, formando um completo sistema de alerta preventivo, algo disponível em poucos países do mundo, de acordo com o parlamentar.

Sustentar
Dirceu Dresch (PT) falou sobre a criação de políticas de incentivo à autogeração de energia elétrica, que é um dos principais temas em debate no 6º Fórum de Energias Renováveis, Consumo Responsável e Cidades Inteligentes - Sustentar 2017, evento que ocorre na Assembleia Legislativa até sexta-feira (10). “Queremos que Santa Catarina siga o exemplo de 23 estados que já criaram uma política de incentivo à autogeração, que é a garantia de mais emprego, mais geração de renda e mais energia sustentável. O caminho é esse, não tem mais volta”, enfatizou. Dresch informou que muitas lideranças da agricultura familiar estão participando do Sustentar 2017 porque também desejam, no futuro, produzir a sua própria energia.

Agenda em Brasília
O deputado João Amin (PP) relatou audiência do Fórum Parlamentar Catarinense no Ministério da Agricultura, ocorrida em Brasília, na quarta-feira (8), com representantes do setor da bananicultura para tratar da segurança sanitária. Nesse encontro foi definida uma pauta técnica a ser trabalhada no âmbito do ministério. Outro assunto da reunião foi a atuação da empresa Gomes da Costa, de Itajaí, que ficou 12 dias com as operações paralisadas. João Amin afirmou que técnicos do Ministério da Agricultura, desde a Operação Carne Fraca da Polícia Federal, vêm modificando critérios sem dar tempo para que a empresa possa se adequar. “Essa situação foi relatada ao ministro Blairo Maggi, que ficou sensibilizado, e a gente espera que essa questão seja resolvida o mais rápido possível”.

Projeto do PCdoB
Cesar Valduga (PCdo) parabenizou o Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente (Sintaema/SC) pela comemoração de 40 anos de história no Estado. Na sequência, falou sobre os “graves problemas estruturais que o Brasil está enfrentando”, defendendo a criação de um novo plano nacional de desenvolvimento, que suspenda a política de austeridade e promova o crescimento e a geração de renda. O partido do parlamentar decidiu liderar um movimento nessa direção, no país, lançando a pré-candidatura da deputada estadual gaúcha Manoela D´Ávila à presidência da República em 2018.

Tribuna
A sessão ordinária desta quinta-feira foi suspensa, por requerimento do deputado Patrício Destro (PSB), para que o representante do Conselho Nacional da Juventude (Conjuve), Gerson Pinheiro, apresentasse o plano de trabalho do conselho. Ele chamou a atenção dos parlamentares para a situação da juventude brasileira e pediu maior engajamento em defesa dos jovens. “É preciso enfatizar com letras maiúsculas que os jovens brasileiros enfrentam uma série de limitações e empecilhos”, disse Pinheiro.

O acesso aos direitos básicos e a falta de espaço no mercado de trabalho foram alguns dos problemas citados pelo conselheiro. Ele destacou que o Brasil conta com população de 51 milhões de jovens na faixa de 15 a 29 anos, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E afirmou que a juventude brasileira representa 40% da população economicamente ativa, portanto, o país perde um enorme potencial ocioso. “O Brasil é líder absoluto em morte de jovens. Na taxa de homicídios, fica atrás apenas da Colômbia e de Porto Rico”, alertou.

 

Lisandrea Costa
Agência AL

Patrícia Schneider de Amorim
Sala de Imprensa/Alesc

Voltar