Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
00:15 Sessão Ordinária
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
07/11/2018 - 16h03min

Parceria entre Santo Amaro da Imperatriz e Caldas da Rainha, em Portugal

Imprimir Enviar
Maria da Conceição Pereira, vereadora da cidade de Caldas da Rainha e parlamentar na Assembleia da República de Portugal
FOTO: Eduardo G. de Oliveira/Agência AL

Vereadora da cidade de Caldas da Rainha e parlamentar na Assembleia da República de Portugal, Maria da Conceição Pereira ocupou a tribuna durante a sessão plenária desta quarta-feira (7) para falar sobre a parceria entre o município português e a cidade catarinense Santo Amaro da Imperatriz. No ano passado foi assinado um acordo de geminação entre as duas cidades.

Caldas da Rainha foi fundada em 1485 e está situada uma hora ao norte de Lisboa, com cerca de 55 mil habitantes, sendo a segunda maior cidade do Distrito de Leiria. Historicamente, Santo Amaro da Imperatriz e a cidade portuguesa têm laços fundados com um decreto de 18 de março de 1818, no qual D. João VI determinou a criação de um hospital, que hoje é um hotel, que seria regido pelos mesmos estatutos do hospital termal D. Leonor, em Caldas da Rainha.

“O que nos une são as águas termais. O hospital termal de Santo Amaro foi concretizado com base no hospital de Caldas da Rainha, que foi o primeiro do mundo. Então decidimos que era importante ligar essas duas cidades, porque as histórias são muito semelhantes. Tínhamos uma rainha muito solidária, que criou esse hospital e Santo Amaro, tinha uma imperatriz que, inspirada pela nossa rainha, também mandou construir um hospital termal na cidade”, afirmou a parlamentar portuguesa.

O Acordo de Cooperação e Geminação entre Caldas da Rainha e Santo Amaro da Imperatriz assegura o intercâmbio e aproximação das “cidades-Irmãs” com relação às áreas sociais, culturais, econômicas, educacionais e turísticas.

Com colaboração de Carolina Lopes/Agência AL

Voltar