Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Serviço temporariamente em manutenção.
Acompanhe a programação da TVAL pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
11/10/2021 - 18h10min

Sessão solene celebra os 60 anos da Rede Feminina de Combate ao Câncer

Imprimir Enviar
FOTO: Divulgação

A passagem dos 60 anos da Rede Feminina Estadual de Combate ao Câncer (RFECC) vai ser celebrada na noite desta sexta-feira (15), com sessão solene promovida pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina, às 19 horas, no salão do Esporte Clube Independente, em Cunha Porã. A solenidade é uma iniciativa do presidente do Parlamento, deputado Mauro de Nadal (PMDB) que vai reunir lideranças políticas, representantes de entidades de classe e profissionais da área da saúde.

Também serão homenageadas as personalidades e entidades que contribuíram para o desenvolvimento da rede, que chegou a Santa Catarina no dia 6 de maio de 1961, tendo em Blumenau a primeira unidade. De acordo com a presidente da RFECC, Maria Círia de Aragão Zunino, atualmente a entidade está presente em 70 municípios catarinenses, onde atuam cerca de 4 mil voluntários, responsáveis por cerca de 100 mil atendimentos a cada ano.

As ações, com foco na prevenção e combate aos cânceres de mama e colo de útero, incluem palestras informativas, oficinas, reiki, sessões de fisioterapia, bem como oferta de lenços, perucas, chapéus, próteses mamárias, entre outras, totalmente gratuitas e abertas ao público. “A Rede Feminina não quer concorrer com o poder público, mas apenas somar esforços e firmar parcerias para atender, de forma humanizada, os nossos usuários.”

Ela salienta que a rede representa uma legião de mulheres que ajuda quem está com câncer de mama ou colo de útero e que se empenha cada vez mais na busca de diagnósticos precoces que facilitam o tratamento e a cura. “Cada uma doa o tempo que pode, umas vêm todos os dias, outras, uma vez por semana, a cada quinze dias ou uma vez por mês.”

Os recursos para a manutenção da rede, informa, provêm de doações públicas e privadas, bem como de recursos arrecadados junto às próprias voluntárias e com a realização de eventos.

Ney Bueno
Agência AL

Voltar