Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
13:00 Edição Extra
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
29/06/2009 - 12h29min

Seminário reforça pedido de concurso público para orientador educacional nas escolas estaduais

Imprimir Enviar
Com abertura oficial na manhã de hoje (29) e continuidade até o final da tarde de amanhã (30), o II Seminário Estadual de Educação Básica e XVIII Seminário de Orientadores Educacionais de Santa Catarina, no auditório Antonieta de Barros, na Assembleia Legislativa, renovaram o pedido feito no encontro de 2008, de concurso público para orientadores educacionais nas escolas públicas estaduais. A categoria, representada por Enara Paes e Lima, presidente da Associação dos Educadores Educacionais de Santa Catarina (Aoesc), alega que, ao contrário das escolas municipais, onde o concurso é realidade, nas estaduais a função é ocupada por outros profissionais que se efetivam como assistente técnico pedagógico e assistente de educação, exercendo a função de orientador educacional, mas sem preparo para tal. “Nossa profissão é regulamentada por lei federal e só o orientador tem competência para isso”, ressaltou a presidente da Aoesc. Entre outros objetivos dos seminários, que tem como tema “Educação: cultura de paz – expressão de justiça social e mudanças sociais”, estão o de proporcionar aos orientadores educacionais, profissionais de educação básica e gestores educacionais, momentos de reflexão sobre a importância de seu papel nas políticas sociais para a infância e adolescência, ensinando e educando para uma cultura de paz. O secretário de Educação de Florianópolis, Rodolfo Pinto da Luz, destacou que a busca pela paz deve ser uma constante no meio educacional e que a igualdade de oportunidades ocorre principalmente pela educação. “É importante que se amplie a educação, considerando que somente 15% das crianças de zero a três anos estão inseridas no sistema educacional no Brasil”, ressaltou. (Rose Mary Paz Padilha/Divulgação Alesc)
Voltar