Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
00:15 Sessão Ordinária
Ouvir
00:05 Programação Musical

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
08/02/2018 - 12h00min

SC terá ações de prevenção a infecções sexualmente transmissíveis no Carnaval

Imprimir Enviar
Flávia Monteiro Soares, médica ginecologista
FOTO: Karina Ferreira/Agência AL

Preocupada com a difusão das infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) durante o período do carnaval, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive-SC) repassou no início deste ano aos municípios cerca de 3 milhões de preservativos, femininos e masculinos. 

Também foram entregues 100 mil sachês de gel lubrificante e 85 mil leques informativos. O leque lista as ISTs mais comuns, como cancro mole, HIV/Aids, donovanose, gonorreia, tricomoníase, sífilis, HTLV, hepatites virais, LGV, herpes genitais, DIP e HPV, além de abordar a gravidez indesejada como consequência do sexo inseguro.

A médica ginecologista Flávia Monteiro Soares, que integra a Gerência de Vigilância das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) da Dive-SC, explica que a ação se justifica pela própria excepcionalidade do período. “O Carnaval é uma época em que as pessoas geralmente estão mais relaxadas e, com a utilização de bebidas alcoólicas, podem acabar se descuidando da prevenção. Mas as doenças estão aí e um único descuido pode trazer consequências que perduram por toda uma vida.”

Ela observa, contudo, que os cuidados para a prevenção das ISTs devem ser mantidos durante todo o ano e que o método mais simples para isso é a utilização de camisinha durante as relações sexuais.

Já para as pessoas que se expuseram ao risco de contato por meio de relação sexual desprotegida, ela recomenda a busca de auxílio médico o mais rapidamente possível. Em caso de suspeita de HIV, por exemplo, está sendo disponibilizado nas unidades básicas de saúde a Profilaxia Pós-Exposição (PEP), tratamento com medicação antirretroviral que pode ser iniciado em até 72 horas após a provável exposição ao vírus.

Para saber os locais que oferecem a PEP e o Teste Rápido para HIV, sífilis, hepatites B e C no estado, basta acessar  www.aids.sc.gov.br.

 

Com informações da Secretaria de Estado da Saúde

Alexandre Back
Agência AL

Voltar