Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
09:00 Sessão Ordinária
Ouvir
09:30 Programação Musical

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
10/08/2017 - 13h06min

Professoras pedem apoio para manutenção das feiras de matemática em SC

Imprimir Enviar
Paula Civiero e Fátima de Oliveira, professoras doutoras do IFC
FOTO: Vitor Shimomura/Agência AL

As professoras doutoras do Instituto Federal Catarinense (IFC) Fátima de Oliveira e Paula Civiero ocuparam a tribuna da Assembleia Legislativa para divulgação do trabalho de organização de feiras de matemática em Santa Catarina, um projeto voluntário realizado há 33 anos que serve de referência para outros estados brasileiros. Os pronunciamentos foram feitos na manhã desta quinta-feira (10), após suspensão da sessão ordinária.

As representantes da Comissão Permanente das Feiras de Matemática, um grupo formado por 30 integrantes de diferentes regiões catarinenses, reforçaram a solicitação de amparo estatal para a manutenção do projeto. “É um evento que não tem mantenedor, não tem orçamento. Muitas vezes a feira acontece praticamente sem recursos. As crianças ficam alojadas em escolas e é difícil conseguir recursos para alimentação. Precisamos de amparo, pensando no bem-estar dos estudantes”, disse Fátima. “Pedimos para que esse projeto realizado por um grupo voluntário se torne uma ação de Estado, faça parte da agenda oficial. Esperamos que abracem essa causa, que envolve tantos estudantes e professores”, acrescentou Paula.

Na ocasião, as professoras contaram a história do surgimento e da consolidação das feiras de matemática em Santa Catarina. A primeira edição foi realizada em 1985, com a intenção de promover ações de melhorias no ensino da ciência matemática. A iniciativa partiu dos professores da Universidade Regional de Blumenau (Furb) Vilmar José Zermiani e Valdir Floriani.

“O principal objetivo é divulgar os trabalhos na área de ensino da matemática feitos dentro das salas de aula para a comunidade escolar, socializar conhecimentos. Outra meta é incentivar o professor a trabalhar novas metodologias para o ensino da matemática e também motivar os alunos a aprender. Queremos desmistificar a matemática como disciplina muito difícil e mostrar que todos podem aprender”, ressaltou Fátima.

Segundo as educadoras, participam das feiras de matemática estudantes da educação infantil até o ensino superior. Elas frisaram que são os alunos os agentes da construção e divulgação do conhecimento. “Todos os níveis de ensino participam, é um diferencial. Apresentam trabalhos desde crianças com 2 anos de idade até professores”, comentou Fátima. A apresentação de trabalhos nas feiras também é aberta à comunidade. “Já tivemos a participação de pedreiros e profissionais que atuam em laboratórios, por exemplo.”

As feiras de matemática em Santa Catarina são realizadas em etapas – escolar, municipal, regional e estadual – e abrangem temas diversos. Os eventos envolvem, em média, 2,5 mil estudantes e 1 mil professores orientadores.

As professoras destacaram a importância das feiras como espaços especiais para o aprendizado. “Aquele que participa de uma feira muda, aprende com a socialização, a troca de experiências, o espaço permite uma vivência ímpar”, falou Paula. “Vale frisar que nas nossas feiras todos os participantes sobem ao palanque e ganham medalhas. Isso garante que todos, alunos e professores, voltem alegres para as suas casas e com mais vontade de aprender e ensinar matemática”, disse Fátima.

Expansão
Por meio de parcerias com instituições de ensino, o projeto catarinense das feiras de matemática se fortaleceu e o modelo se expandiu pelo território nacional. Hoje alcança outros nove estados: Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Bahia, Tocantins, Pará, Amapá, Acre, Minas Gerais e Espírito Santo.

Reconhecimento
A manifestação na tribuna do Parlamento foi requisitada pela deputada Luciane Carminatti (PT). A presidente da Comissão de Educação da Alesc parabenizou as professoras pelo trabalho realizado e anunciou que o colegiado vai encaminhar um documento oficial à Secretaria de Estado da Educação solicitando que as feiras de matemática sejam incluídas no cronograma de atividades pedagógicas e no calendário de eventos.

“É importante dar visibilidade a esse trabalho belíssimo, sério, de qualidade, que envolve a dedicação de tantos profissionais da Educação. Não dá para imaginar que um projeto tão bonito não tenha a Secretaria junto, acompanhando, fortalecendo, sendo parceira”, disse.

Os deputados Neodi Saretta (PT), Rodrigo Minotto (PDT) e Mário Marcondes (PSDB) também destacaram a relevância da iniciativa e manifestaram apoio à continuidade do projeto.

Agenda
A edição deste ano da Feira Catarinense de Matemática será realizada de 27 a 29 de setembro, em Criciúma, na região Sul.

Ludmilla Gadotti
Agência AL

Voltar