Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
09:05
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
13/06/2018 - 17h42min

Partidos divergem sobre convênios assinados pelo atual governador

Imprimir Enviar
Agrotóxicos, filas do SUS e morte de ex-governador na pauta da sessão desta tarde
FOTO: Fábio Queiroz/Agência AL

Representantes das bancadas do PSD e do MDB divergiram sobre convênios celebrados com municípios e entidades pelo atual governador Eduardo Moreira. O desencontro verbal ocorreu durante a sessão da tarde desta quarta-feira (13) da Assembleia Legislativa.

“O governador está assinando convênios só como os prefeitos do MDB; sexta-feira o governador estará em Rio do Sul, junto com o deputado Aldo Schneider (MDB) e o deputado federal Rogério Peninha Mendonça (MDB) assinando convênios novos. E as contas que estão lá para serem pagas, como explicamos isso para a população?”, questionou Milton Hobus (PSD).

Hobus reclamou recursos para conclusão de obra viária em Presidente Getúlio, além de R$ 750 mil para conclusão do prédio da Apae de Rio do Sul.

“A Apae de Rio do Sul começou a construir para sair da enchente; dos R$ 1,5 milhão do governo do estado, foram pagos R$ 750 mil e sobre os outros R$ 750 mil não conseguimos conversar com ninguém”, disparou Hobus, acrescentando que estará em Rio do Sul no dia da assinatura dos convênios para expor ao governador as reivindicações do Alto Vale do Itajaí.

Luiz Fernando Vampiro (MDB) discordou e pediu coerência ao representante de Rio do Sul.

“Um pouco de coerência deputado, Presidente Getúlio não tinha lastro financeiro”, informou Vampiro, que contrapôs o exemplo citado por Hobus ao caso da prefeitura de Tubarão: “o PP do Joares Ponticelli assinou convênio de R$ 10 milhões, mas nenhum deputado do MDB assinou”.

Moacir Sopelsa (MDB) ponderou a inconveniência de transformar o debate em “batalha eleitoral” e defendeu os convênios assinados pelo atual governador.

“Não podemos fazer aqui na Assembleia uma batalha eleitoral, tem de respeitar os convênios que o governo do estado está fazendo”, avaliou Sopelsa.

“Estávamos remando juntos até poucos dias atrás, mas parece que agora estão querendo estampar na testa do MDB problemas que antes ninguém falava, muitos sabiam dos problemas, mas não traziam ao conhecimento. O governador está enxugando a máquina para continuar honrando os compromissos do estado, está cortando na carne, se tentou vender uma imagem que não possuímos”, argumentou Mauro de Nadal (MDB).

Jean Kuhlmann (PSD) acompanhou Hobus e cobrou recursos para Blumenau.

“Não consigo entender, o governador foi para Blumenau e assumiu o custeio do hospital e mais R$ 1,4 milhão, enquanto na capital noticiam R$ 340 milhões. Qual a diferença entre o cidadão de Blumenau e o de Florianópolis?”, perguntou Kuhlmann.

Valdir Cobalchini (MDB), líder do governo, respondeu.

“São valores destinados à obras que vêm sendo executadas há algum tempo”, observou Cobalchini, referindo-se ao acesso ao aeroporto Hercílio Luz e à manutenção das duas pontes que dão acesso à capital, determinada pelo Judiciário.

 

Convênio com as comunidade terapêuticas

Ismael dos Santos (PSD) celebrou na tribuna a decisão do Executivo de aditivar o convênio que o estado mantém com as comunidades terapêuticas.

“O colegiado da Secretaria de Estado da saúde (SES) decidiu que será feito um aditivo para que as 79 comunidades possam prosseguir a caminhada pelos próximos seis meses, quando termina o mandato do atual governador. Quero reconhecer a boa vontade da SES, que está pagando em dia os recursos, esse aditivo é um fôlego”, reconheceu Ismael.

 

Encontro da Fecam

Natalino Lázare (PR) e Luciane Carminatti (PT) destacaram na tribuna o Congresso da Federação Catarinense de Municípios (Fecam), que acontece no Centrosul, em Florianópolis.

“É uma reunião de prefeitos de todo estado e, como já fui presidente da Fecam, fiquei comovido como está sendo conduzida a Fecam, devemos nos orgulhar dos prefeitos que temos hoje no estado, uma classe que ainda tem o apoio popular. Esse país ainda não entrou em colapso porque os prefeitos estão segurando a barra na base da sociedade, são eles que conseguem resolver os problemas de saúde”, indicou Natalino.

“Nas conversas com prefeitos e prefeitas sentimos a tradução da preocupação com relação aos recursos, há queda nos repasses da União, baixa arrecadação própria e a maior parte do orçamento está comprometido com a folha. Hoje é muito difícil ser prefeito, temos saudades da época em que o presidente Lula criava uma série de ações e programas que beneficiava os municípios”, declarou Carminatti.

 

158 anos de Tijucas

Serafim Venzon (PSDB) ressaltou a passagem, nesta data, dos 158 anos de emancipação de Tijucas.

“Tijucas comemora 158 anos de emancipação, mas historicamente é um dos locais onde aportaram os primeiros navegadores, era um posto de reabastecimento, fazia serviço de cabotagem, é uma das cidades mais velhas, juntamente com Laguna e Florianópolis. Hoje é a cidade da vez em termos de desenvolvimento, está equidistante dos aeroportos de Navegantes e Florianópolis, muito próxima de Balneário Camboriú, Itapema e Porto Belo, agora tem crédito com os investidores”, comemorou Venzon.

 

Filas do SUS

Venzon garantiu na tribuna que o descontentamento do cidadão catarinense com o SUS aumentou nos últimos meses.

“O descontentamento piorou, essa é a sensação das pessoas. A questão está nos procedimentos eletivos, se fizer não nada o paciente continua vivendo, mas com qualidade de vida ruim”, opinou Venzon, que lembrou o fato de que agora os doentes têm acesso aos dados da fila do SUS.

“Nós aprovamos a lei das filas, uma ideia nossa, mas veio para atender as pessoas que ficavam de fora, se tem alguma coisa que não está funcionando direito, vamos lá mudar, porque as leis foram feitas para melhorar a vida das pessoas”, afirmou Antonio Aguiar (PSD).

Venzon explicou que a solução está no planejamento e revelou que apresentou projeto de lei para obrigar a SES a planejar a gestão da fila.

“A cada quatro meses verifica a lista e faz um plano de ação para resolver aquilo ali, recebi sinal positivo do governador, tenho fé de que Eduardo vai apoiar”, anunciou Venzon.

 

Aditivo x servidores da Alesc

Antonio Aguiar propôs revogar aditivo celebrado pelo Poder Legislativo com empresa prestadora de serviço.

“São mais 19 cargos de R$ 12.361,00, mais cinco postos de R$ 6 mil, entre outros, uma valor mensal R$ 2,4 milhões vai para R$ 2,7 milhões, com valor global de R$ 36 milhões”, verbalizou Aguiar.

Kennedy Nunes (PSD), que presidiu a sessão, solicitou ao colega que apresentasse formalmente ao presidente da Casa a reivindicação, com a qual concordava.

“Também fiz este pedido para atender os funcionários da Casa, já atendemos o sindicato sobre a questão da reposição na data base e da legislação que dá segurança jurídica, quarta-feira (20) a Mesa vai decidir sobre os dois assuntos”, prometeu Kennedy.

 

Presos liberados

Mauricio Eskudlark (PR) criticou a liberação de presos sob a justificativa de que não há vagas no sistema prisional.

“Os juízes têm dado decisões contra o recebimento de preso além de um número pré-estabelecido. Isso tem de inverter, precisamos usar o plantão das audiências de custódia para fazer com que o juiz decida sobre essa prisão”, sugeriu Eskudlark.

 

Excesso de agrotóxicos

Cesar Valduga (PCdoB) voltou a criticar o uso exagerado de agrotóxicos e lamentou os efeitos na saúde dos trabalhadores rurais.

“No Grande Oeste há inúmeras histórias de problemas de fígado, pulmão, pâncreas ou de pessoas que desenvolveram câncer por causa do uso abusivo de agrotóxicos”, ajustificou Valduga, que convidou os catarinenses para participarem de um debate, dia 18 de junho, na Assembleia, sobre a implementação da política estadual da agroecologia e produção orgânica.

 

SC-135

Neodi Saretta (PT) cobrou novamente a revitalização da SC-135, que liga Matos Costa a Porto União, no Planalto Norte.

“Ano passado protocolei um pedido de revitalização, agora refizemos o pedido e passamos por lá este final de semana. Há uma situação de desânimo na região, que tem pedido encarecidamente uma solução, o Ministério Público estrou com procedimento na comarca de Porto União cobrando a execução de decisão que obriga o governo a fazer as reformas no trecho”, relatou Saretta.

Além disso, o parlamentar reivindicou melhorias na estrada de chão batido que liga Matos Costa à BR-153.

 

Antonio Carlos Konder-Reis

Valmir Comin (PP) lembrou na tribuna a morte do ex-governador Antonio Carlos Konder-Reis.

“Um homem de princípios éticos, hoje rarefeitos, ajudou a edificar um país melhor, em nome dos Progressistas quero registrar a imagem sem precedentes e a consciência tranquila com que exerceu seus mandatos”, discursou Comin.

“Um homem inteligente que deu uma grande contribuição para o estado e ao Brasil, uma figura extraordinária”, concordou Silvio Dreveck (PP), vice-presidente da Casa.

Vítor Santos
Agência AL

Voltar