Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
07/02/2019 - 12h35min

Parlamentares agradecem eleitores e anunciam intenções para os mandatos

Imprimir Enviar

FOTO: Luca Gebara/Agência AL

Recém instalada, a 19ª legislatura da Assembleia Legislativa teve na manhã desta quinta-feira (7) a sua segunda sessão ordinária, ocasião que foi utilizada por grande parte dos parlamentares presentes no plenário para agradecer os seus eleitores e anunciar propostas para os próximos quatro anos de mandato.

Primeiro a utilizar a palavra, Jair Miotto (PSC) afirmou que pretende atuar em consonância com a linha ditada pelo seu partido, conforme ele, em favor dos princípios cristãos como a defesa da vida e da família, bem como para melhoria dos serviços prestados pelo Estado ao cidadão.

Ele também fez menção a um clamor da população por mudanças e afirmou que os deputados devem se unir em torno deste objetivo. “Vivemos novos tempos, estamos na vitrine, a sociedade tem muita expectativas sobre as nossas atuações. Que possamos nos unir para dignificar esta Casa, pois creio que nesta legislatura podemos construir com muita dignidade e responsabilidade uma Santa Catarina melhor para todos.”

Outros deputados se manifestaram na mesma linha. “As urnas sinalizaram a nítida postura de mudança do fazer e agir político. Há um desafio enorme de estarmos cada vez mais próximos dos anseios da comunidade e acho que o que deve prevalecer é uma perspectiva de respeito mútuo e honra a cada um de nós, sobretudo aos compromissos que assumimos ao longo da nossa caminhada”, disse Ismael dos Santos (PSD).

“Sonho que a gente possa estabelecer aqui algo pelo povo e para o povo. Meu apelo, apesar de sermos bancadas diferentes, é de que possamos convergir em prol de algo maior. Quero seguir esses quatro anos sendo amigo, colega, irmão, que possamos nos unir em torno de algo maior. Não me faltam causas nobres para lutar”, afirmou Felipe Estevão (PSL), destacando que pretende atuar em favor do setor da pesca.

Jessé Lopes (PSL) afirmou que se manterá em conformidade com as propostas apresentadas por ele em sua campanha ao cargo de deputado. “Eu quero ser um soldado de fato na luta dos valores morais, família, dos valores fundamentais do dia a dia, e da economia mais liberal, de corte dos privilégios e do escárnio do dinheiro público. Quero dizer aos meus eleitores que eles estarão aqui assistidos e representados por mim.”

Bruno Souza (PSB) afirmou que pretende se opor a todos os projetos que considere que possam proporcionar mais entraves ao cidadão do que a um bem efetivo. Para ele, o excesso de regulamentação acaba por criar um clima favorável à corrupção no meio público. “Serei sempre um combatente a esse tipo de burocracia, mas não será nada pessoal, contra o deputado proponente, mas contra a ideia. O que importa não são as intenções, estamos focados nos resultados.”

Já Ivan Naatz (PV) fez menção a deputados que anteriormente lhe proporcionaram exercer um mandato no Parlamento estadual por meio da suplência. “Volto à tribuna desta Casa pela terceira vez, agora como deputado titular. Agradeço aos deputados que me deram esta oportunidade e convoco os demais para que deem esta chance aos seus suplentes para que cheguem na Casa com mais experiência.”

Por fim, Kennedy Nunes (PSD) e Volnei Weber (MDB) anunciaram a forma como pretendem proceder com relação ao governo do Estado. “Tenho manifestado algumas divergências com relação ao Executivo, mas não tenho nada contra a pessoa de Carlos Moisés, mantendo os embates restritos às ideias. Espero que tenhamos a capacidade de discutir ideias e posições, mas que também possamos ser parceiros de um poder que também representa o cidadão”, disse Kennedy.

“Estamos aqui para defender o bem do nosso estado e quero crer que não recebi nenhum voto do eleitorado para fazer oposição a governo algum. Então, os projetos que forem importantes e bem estruturados terão o meu apoio. Esse é o meu propósito, a minha intenção, e é dessa forma que pretendo trabalhar”, completou Weber.

Segurança pública
Em sua fala, Ricardo Alba (PSL) saudou o governador do Estado pelo modelo de integração das forças de segurança pública, mas solicitou mais efetivos para a Polícia Militar, Polícia Civil, Bombeiros Militar e Instituto Geral de Perícias, por meio da chamada dos excedentes de candidatos aprovados nos concursos públicos realizados para o setor. “O aumento do efetivo nas forças de segurança de Santa Catarina se faz necessário e com a diminuição da máquina pública em algumas áreas acredito que o governo poderá, sim, melhorar este quadro.”

Ele também elogiou as propostas enviadas pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, ao Congresso para o endurecimento da legislação penal. O pronunciamento de Alba recebeu o apoio de Mauricio Eskudlark (PR).

Corte de gastos
Ivan Naatz criticou a decisão do governador Carlos Moisés em cortar o café disponibilizado aos servidores públicos estaduais. “O servidor é massacrado em todas as suas necessidades, não tem reajuste e muitas vezes trabalha em condições insalubres e inadequadas e o governador acha que a solução é cortar o cafezinho do coitado que já ganha pouco. Se quer economizar, não basta cortar o cafezinho, tem que cortar também o vinho que é servido na Casa D'Agronômica.”

O contraponto veio por meio do deputado Jessé Lopes. “Dizer que o governador não está cortando gastos é uma injustiça. Ele cortou os aviões que oneravam o Estado em milhões, cortou cargos comissionados, não está loteando cargos pensando em reeleição.”

Precariedade das rodovias
Luciane Carminatti (PT) se disse preocupada com recente relatório da Fiesc que demonstraria o estado em que se encontram as principais rodovias federais e estaduais que cortam o estado.

A parlamentar, que já coordenou o Fórum das Rodovias de Santa Catarina, afirmou que o estudo aponta que seriam necessários R$ 150 milhões para a recuperação das vias, ao passo que o governo anunciou a disponibilização de apenas R$ 2 milhões para os serviços.

Neste sentido, ela ressaltou a necessidade de se acionar a bancada parlamentar catarinense em Brasília. “Sabemos que a bancada todos os anos define as suas prioridades e talvez uma das maiores neste momento seja alocar recursos para estas rodovias”.

Um dos trechos emergenciais a serem atendidos, disse, é a SC-283 na ligação entre  Concórdia e o Extremo Oeste, cuja falta de acostamento vem ocasionando uma série de acidentes fatais. 

Volnei Weber, por sua vez, citou a ligação entre os municípios de Pedras Grandes e Tubarão, que estaria repleta de buracos e falhas no asfalto. Ele conclamou o governo a atuar de forma imediata por meio da contração emergencial de uma empresa para a realização dos reparos ou estabelecimento de um convênio de parceria com os municípios, que ficariam encarregados da tarefa. “Uma notícia muito boa anunciada ontem pela Secretaria da Fazenda é a disponibilização de R$ 200 mil para o restabelecimento da Serra do Rio do Rastro”, disse, por fim.

Escola sem partido
Ana Caroline Campagnolo (PSL) parabenizou a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) pela apresentação de uma nova versão de um projeto conhecido como “Escola sem Partido”. Conforme a deputada, a medida é voltada a romper com a “hegemonia marxista existente nas propostas curriculares”.

Ela também narrou fato acontecido na escola Naya Gonzaga Sampaio, de Caçador, em que uma aluna se sentiu ofendida pela sua professora de história. O caso acabou gerando um processo judicial, no qual a mãe da estudante acabou penalizada. “Além de humilhar a criança, a professora ainda processou a mãe dela, uma pessoa humilde, que acabou condenada a pagar R$ 4 mil.”

 

 

 


 

 

Alexandre Back
Agência AL

Voltar