Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ouvir
00:05 Programação Musical

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
20/04/2017 - 12h12min

‘Abril Verde’ chama a atenção para a prevenção dos acidentes de trabalho

Imprimir Enviar
Márcia Kameis Lopez Aliaga, procuradora do Trabalho e coordenadora do FSST-SC
FOTO: Eduardo G. de Oliveira/Agência AL

Representantes do Ministério Público do Trabalho (MPT-SC) e do Fórum Saúde e Segurança do Trabalhador no Estado de Santa Catarina (FSST-SC) utilizaram a tribuna da Assembleia Legislativa na manhã desta quinta-feira (20) para divulgar a realização da campanha Abril Verde, voltada à conscientização da sociedade para a prevenção os acidentes de trabalho e doenças ocupacionais.

A mobilização, de caráter nacional, vem sendo ressaltada em Santa Catarina em função dos elevados índices de acidentes registrados no estado, conforme disse a procuradora do Trabalho e coordenadora do FSST-SC, Márcia Kameis Lopez Aliaga. “Infelizmente, é nesse belo estado onde mais se morre trabalhando no Sul do Brasil”, disse.

Ela citou os números levantados pelo Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) da Secretaria Estadual de Saúde, que indicam a ocorrência nos últimos dez anos de 2.631 acidentes de trabalho fatais no estado. Outra fonte citada foi o Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho (AEAT), segundo o qual apenas no ano de 2014 mais de 45 mil catarinenses foram vítimas de lesões em decorrência de suas atividades laborais. Estes números, entretanto, podem ser ainda maiores, uma vez que apenas levam em conta a iniciativa privada e apenas as ocorrências que foram notificadas.

“Infelizmente ainda não temos um sistema protetivo que funcione de fato e que possa mudar essa realidade. Ele deve incluir diversas variáveis, como mudanças na legislação, fortalecimento do SUS e dos processos de fiscalização e vigilância, incremento das redes de acolhimento e a criação de instrumentos de reinserção no mercado de trabalho”, defendeu Márcia.

O procurador-chefe do MPT-SC, Marcelo Goss Neves, por sua vez, disse esperar que o alerta feito na tribuna do Legislativo traga mais visibilidade para o problema. “Trazer esse tema para a Assembleia é algo que pode trazer um elemento primordial, uma grandeza maior para essa campanha nacional, contribuindo para levar para toda a sociedade catarinense mais carinho e preocupação com a integridade física e psicológica dos trabalhadores catarinenses.”

Mês da Saúde do Trabalhador
O coordenador do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador de Chapecó, Rodrigo Monzari, afirmou que o município foi o primeiro de Santa Catarina e o segundo do Brasil a estabelecer o Abril Verde como política oficial.

Com base na experiência de Chapecó, os representantes das entidades pediram apoio dos deputados para a criação de um projeto de lei que institua o Mês da Saúde do Trabalhador, dedicado a ações de prevenção de acidentes e doenças do trabalho e ocupacionais.

Em resposta, diversos deputados manifestaram apoio à mobilização.

“Esta campanha é profícua e tende a avançar tendo o engajamento do Poder Legislativo”, disse Cesar Valduga (PCdoB).

“Temos grandes problemas a enfrentar, sobretudo no meio rural, no campo, onde são comuns lesões por esforço repetitivo e pelo uso de agrotóxicos. Essa luta é extremamente importante para que o povo catarinense tenha mais dignidade e respeito”, acrescentou Dirceu Dresch (PT).

"Vale sim investir na prevenção. Esperamos que especialmente as pessoas que contratam pessoas, que têm responsabilidade social maior, se mobilizem e divulguem estas informações”, frisou Serafim Venzon (PSDB).

"É importante sim a conscientização da população, mas também que o Estado reserve recursos para isso e que o empresário se mobilize na sua empresa para que possamos diminuir essas estatísticas. Somos um estado forte, ordeiro e não podemos admitir que permaneçamos entre os com maior ocorrência de acidentes de trabalho”, disse Neodi Saretta (PT).

Cerca de 53% dos acidentes registrados acontecem durante o deslocamento para o trabalho, mas não vemos o governo preocupado em construir mais uma ligação Ilha-Continente, o que poderia favorecer para diminuir esses índices. Precisamos de mais qualidade de vida e segurança para nossos trabalhadores”, declarou Mauricio Eskudlark (PR).

 

Alexandre Back
Agência AL

Voltar