Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
19:00
Ouvir
20:00 Rádio AL Notícias

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
13/04/2015 - 12h54min

Estudantes de Chapecó criam software voltado ao combate da dengue

Imprimir Enviar
Aplicativo mostra mapa online com a incidência dos focos do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue. FOTO: Arquivo Wikipédia

Um aplicativo desenvolvido na incubadora tecnológica da Unochapecó promete facilitar a gestão dos municípios nas ações de combate à dengue. O sistema, chamado Vigilantus, disponibiliza um mapa online no qual a própria população pode comunicar a ocorrência de novos focos do mosquito causador da doença, o Aedes aegypti. A Prefeitura de Chapecó é a primeira a adotar a nova ferramenta no estado.

De acordo com Juliano Baggio Di Sopra, sócio da empresa criadora do Vigilantus, após a prefeitura fazer o reconhecimento geográfico e identificar as áreas de risco, o aplicativo disponibiliza as informações por meio de um mapa completo da cidade, destacando os bairros com maior incidência de focos, que podem ser acompanhados pela comunidade. Ao acessá-las, disse, uma pessoa pode visualizar se a sua residência se encontra em uma área de incidência do vetor da doença, estimulando seu engajamento. “O software foi idealizado justamente com a proposta de fornecer um canal de mão dupla entre o poder público e a sociedade, algo que acreditamos que seja o caminho para a solução do problema.”

Agilidade nos atendimentos
Premiado pela Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi) em 2013, entre 1.226 projetos, o Vigilantus está em uso efetivo pela Secretaria Municipal de Saúde de Chapecó (Sesau) desde o início do ano.

A adoção do Vigilantus, afirmou o coordenador da Vigilância Ambiental da Sesau, Junir Lutinski, melhorou a qualidade da informação levantada no município, que possui 85 mil imóveis cadastrados, agilizando os processos internos e otimizando os recursos humanos do setor. “Chegamos a ter 100 focos em um dia. Imagine ter que somar todas essas informações, depois delimitá-las como alvos em um mapa. Hoje temos tudo isso de forma eletrônica, que nos fornece as indicações instantaneamente, o que significa mais rapidez nos atendimentos. Foi um salto enorme.”

A informatização dos processos, destacou Lutinski, também possibilitou a formação de uma nova base de dados, que possibilita a integração das informações coletadas. “Não há como o setor público apresentar serviços de qualidade sem informação de qualidade e planejamento. E agora temos condições de marcar automaticamente a região afetada, dando mais segurança para a formação de um plano de ações.”

A aquisição do Vigilantus, disse, também melhora a comunicação e transparência com a população. “O objetivo é que o sistema seja mais um canal direto de comunicação com população, que futuramente também poderá contar com um protocolo para o acompanhamento do processo de atendimento.”

Aquisição
A partir da experiência obtida em Chapecó, a expectativa dos criadores do Vigilantus agora é que outras prefeituras adotem a ferramenta digital.  Segundo Juliano Baggio Di Sopra, o sistema está sendo disponibilizado a um custo de R$ 0,30 por habitante. “Mesmo tendo um viés social, precisamos cobrir os gastos com o seu desenvolvimento e aprimoramento.”

Em caso de interesse, um teste prévio pode ser realizado em pouco tempo. “O cadastro é muito rápido e, em questão de minutos, o gestor já pode fazer a sua avaliação.” Contatos pelo fone (49) 3316-0928 ou pelo e-mail contato@vigilantus.com.br.

Alexandre Back
Agência AL

Voltar