Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
00:30
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
03/07/2018 - 16h41min

Deputados propõem audiência para discutir corte de vagas nos Cedups

Imprimir Enviar
A decisão pela não abertura de novas vagas nos Cedups inflamou as discussões na Sessão
FOTO: Fábio Queiroz/Agência AL

Vários parlamentares voltaram a criticar o corte de matriculas para o segundo semestre nos Centros de Educação Profissional (Cedups) e articulam a realização de uma audiência pública para debater a decisão da Secretaria de Estado da Educação (SED).

“Se decidiu que no segundo semestre não vão ocorrer matrículas nos Cedups. A argumentação é de que 50% desistem, mas a solução não é fechar o curso e, sim, saber porque estão desistindo. Sou contra essas mudanças, fiz pedido de informação ao governador e uma solicitação de audiência pública junto com a deputada Carminatti (PT)”, informou Fernando Coruja (Podemos) na abertura da sessão desta terça-feira (3) da Assembleia Legislativa.

“Estou preocupado com o que vem ocorrendo na atuação do governo e da Secretaria de Educação em relação ao fechamento de vagas, pois isso impactará fortemente sobre as famílias, alunos e professores”, criticou Rodrigo Minotto (PDT).

Valmir Comin (PP), Gabriel Ribeiro (PSD), Luciane Carminatti e Dirceu Dresch (PT) acompanharam os colegas.

“Este assunto vai se tornar ‘caliente’ aqui na Casa, vamos nos insurgir porque não é admissível”, avisou Comin.

“Estamos apresentando uma proposição de audiência pública porque a atual secretária tem suspendido as matrículas através de comunicado às escolas”, justificou Carminatti, informando em seguida que a Comissão de Educação já decidiu convocar a secretária Simone Schramm para que explique os cortes.

“Uma decisão unilateral, absurda, contrária aos interesses de Santa Catarina, representa uma política que quer acabar com o ensino técnico “, disparou Gabriel Ribeiro, acrescentando que também assinou o pedido de audiência pública proposto por Coruja e Carminatti.

“Mais uma trapalhada da Secretaria de Educação: em fim de mandato trazer o fechamento das matrículas do Cedup, prejudicando centenas de jovens que querem se preparar para a vida”, avaliou Dresch.

A Secretaria de Estado da Educação enviou nota à Alesc sobre o assunto:

A Secretaria de Estado da Educação esclarece que a mudança no calendário dos Cedups é baseada em estudos que vêm sendo realizados desde 2017 e mostram os altos índices de evasão - há casos onde as desistências dos alunos ultrapassam 40% de um semestre para outro. Outras medidas, como a mudança na matriz curricular e até mesmo os cursos oferecidos em cada região também estão sendo discutidas e devem ser implementadas no segundo semestre. A SED ressalta, por fim, que o novo calendário dos Cedups não altera o dia a dia dos alunos dos cursos em andamento e que a matrícula de alunos novos  estará aberta em fevereiro de 2019.

 

Festa da Tainha de Balneário Rincão

Luiz Fernando Vampiro (MDB) convidou os catarinenses para prestigiarem a 23ª Festa da Tainha de Balneário Rincão, no Sul do estado, com abertura oficial prevista para o próximo dia 12.

“Uma megafesta, muito elogiada, com shows, eventos, parque temático e gastronômico, todos os shows serão gratuitos, quero reforçar o convite”, afirmou Vampiro.

 

#Ficaespanhol

Luciane Carminatti (PT) repercutiu na tribuna a hashtag #ficaespanhol, que reúne aqueles que discordam da decisão do Ministério da Educação de tornar obrigatória a oferta da língua inglesa nos ensinos fundamental e médio.

“O Ministério intervém frontalmente no currículo e decide que a obrigatoriedade deve ser o inglês, mas há regiões, sobretudo nas divisas com os países latinos, que a única língua é o espanhol. Estão ignorando toda uma cultura e estamos priorizando o inglês, mas  qual a relevância da língua inglesa para essas comunidades?”, questionou Carminatti.

 

Situação de emergência no sistema prisional

Ada de Luca (MDB) elogiou a decisão do governador Eduardo Moreira, que decretou situação de emergência nos sistema prisional barriga-verde na manhã desta terça-feira.

“Hoje o governador decretou situação de emergência no sistema prisional para viabilizar concurso para 807 agentes. Em 2011 tínhamos 2,3 mil agentes para 12 mil presos, agora em 2018 são 2,5 mil agentes para 21 mil presos. É visível a necessidade de novos agentes para a abertura de nova vagas”, explicou Ada de Luca.

A deputada, que já foi a gestora da área, reconheceu que a situação ficou insustentável quando as forças de segurança passaram a efetuar nove prisões diárias ao invés de três.

“Um número assustador, hoje a demanda é muito maior”, sustentou a representante de Criciúma.

“Esse mesmo governo diz que a assistência social não é prioridade, então a gente fica até um pouco complexado, por mais que o cobertor seja longo, o vivente sempre é maior, e se não partirmos para o enfrentamento de fato, fomentando parcerias público-privadas (PPPs) e a  educação, resgatando a autoestima e o setor produtivo, não há programa que se sustente”, ponderou Valmir Comin.

 

Petrobrás pública

Cesar Valduga (PCdoB) destacou a decisão do STF que proibiu a privatização de empresas públicas, como a Petrobrás.

“O governo federal tem responsabilidade com o patrimônio nacional, a Petrobrás pertence ao povo, mas com a transferência da titularidade de até 70% dos direitos da empresa, os grandes beneficiários seriam as grandes petroleiras. Se hoje pagamos gasolina cara é porque estão entregando o nosso patrimônio ao capital internacional”, garantiu Valduga.

 

Ivanor Bressan

Dirceu Dresch (PT) lamentou a morte por atropelamento na manhã desta terça-feira do radialista Ivanor “italianinho” Bressan, diretor da Rádio Comunitária Efapi, de Chapecó. “Queremos nos solidarizar com a família”.

 

Concórdia no topo

Neodi Saretta (PT) comemorou a primeira posição no estado e a oitava no Brasil conquistadas por Concórdia no índice de desenvolvimento social da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

“Quero lembrar que, em 2000, Concórdia ocupava a 1.389ª posiçãono Brasil e a 107ª em Santa Catarina, agora saltamos para o oitavo lugar no país e para o primeiro em Santa Catarina. Tive a honra de ter sido prefeito por oito anos e meu estimado companheiro João Girardi os outros oito anos, completando esse ciclo de 16 anos”, discursou Saretta.

 

Câncer x agrotóxicos

Serafim Venzon (PSDB), que é médico, relacionou o uso de agrotóxicos com o aumento dos casos de câncer no país.

“Não usam mais a capinação, mas vão passando veneno pela roça, um desfoliante que mata todas as ervas, mas que tem um efeito cancerígeno enorme. O câncer vem de algum lugar, o tratamento da água não tira nada disso, de certeza (os agrotóxicos) vão cair na água e alguém vai tomar esta água”, ressaltou Venzon.

 

López Obrador

Dirceu Dresch comemorou a vitória de Andrés Manuel López Obrador na eleição presidencial do México, realizada no último domingo.

“López Obrador, conhecido como o ‘Lula Mexicano’, é anti-imperialista, então o México não vai mais estar de joelhos para os EUA”, anunciou o deputado, que lamentou o fato de que “setores do Judiciário” desejam rejeitar o registro de candidatura do ex-presidente Lula.

 

Indignação

Valmir Comin manifestou indignação com a falta de notícias sobre a conclusão da SC-442, que liga a Estação Cocal a Cocal do Sul, no Sul do estado.

“Foi construída em uma parceria com grupo Eliane, com antecipação do ICMS, com uma extensão de 11 km, concluídos há um ano, mas está faltando uma parte e de um ano para cá não houve mais manifestação do governo”, lastimou Comin, que cobrou do governo informações sobre a obra.

Voltar