Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
00:00
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
10/10/2018 - 15h31min

Com um ano de atuação, Pacto pela Inovação já desenvolveu mais de 170 ações em SC

Imprimir Enviar

Com o objetivo de transformar Santa Catarina em um dos estados mais inovadores do mundo até 2030, 40 instituições ligadas aos setores de tecnologia apresentaram, na manhã desta quarta-feira (10), o Pacto pela Inovação. Assinada em outubro do ano passado, a iniciativa agora busca atrair os canais de comunicação para a divulgação dos eventos e ações relacionadas ao movimento.

Um ano após a assinatura do pacto, mais de 170 ações já foram realizadas com o objetivo de fortalecer o ecossistema inovador no estado. Para Daniel Leipnitz, presidente da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), uma das entidades que fazem parte da iniciativa, o estado já sai na frente por ter a inovação como parte da cultura de suas empresas.

“Santa Catarina tem um grande diferencial no seu associativismo, de poder juntar forças para todo mundo caminhar para o mesmo caminho. É inovador, porque hoje a nossa economia é baseada num fracionamento muito grande dos mais diversos setores econômicos, muitos empreendedores pequenos e médios, ou seja, para eles sobreviverem é necessário muita inovação, muita criação de coisas novas, caso contrário não teria competição”, ressaltou.

Coordenador do Pacto pela Inovação, Jean Vogel falou que a ideia de fazer um acordo surgiu da proposta de agrupar as diversas entidades catarinenses que desenvolvem projetos inovadores e criar um ecossistema de inovação no estado. Segundo Vogel, para que a ideia dê certo é fundamental o apoio dos meios de comunicação.

“O que precisamos criar é um grande movimento da cultura da inovação. Talvez a gente deva tentar que a inovação seja conversa de mesa de bar, que a gente possa discutir isso com os amigos, mais do que falar sobre futebol e, para que isso aconteça, a imprensa é fundamental porque ela é quem consegue dialogar e levar a informação para a sociedade em todas as camadas”, afirmou o coordenador.

 

Com a colaboração de Carolina Lopes/Agência AL

Voltar