Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
12:01 Memória da Imprensa
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
05/06/2013 - 19h25min

Cidasc credencia produtores catarinenses de carne e leite para comercialização no país

Imprimir Enviar

A Cidasc (Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina) foi autorizada pelo Ministério da Agricultura a inspecionar e credenciar indústrias de produção de carne e leite de Santa Catarina para comercialização no país. A novidade, que dará mais competitividade aos produtores do estado, foi anunciada aos deputados, na tarde desta quarta-feira (5), durante reunião da Comissão de Agricultura e Política Rural da Assembleia Legislativa.

Até então, os produtores inspecionados pelo município só podiam comercializar em suas cidades. Quem era inspecionada pelo órgão estadual só podia vender em Santa Catarina. “Mas agora, vamos inspecionar as indústrias que poderão comercializar em todo o país”, comemorou o presidente da Cidasc, Enori Barbieri. Três empresas do estado já têm a certificação. Segundo Barbieri, mensalmente serão feitos novos credenciamentos. “Mas para isso, a indústria deverá cumprir todas as exigências”, explicou. A Cidasc é auditada pelo Ministério da Agricultura.

Esta é uma das conquistas da companhia, que nos últimos anos vem modernizando e informatizando suas atividades, atendendo às expectativas do mercado e cumprindo as exigências sanitárias. Outro exemplo deste novo ciclo é o Guia de Transporte Animal (GTA) que passou a ser eletrônico para bovinos. Cerca de 1.500 produtores aderiram ao programa. “Com uma senha, eles entram no sistema de suas casas e emitem as guias, sem precisar comparecer ao nosso escritório”, disse Barbieri. O receituário agronômico também já está na forma eletrônica.

Dificuldades a serem superadas
A Cidasc mantém 300 escritórios espalhados pelo estado, com pelo menos um atendente. Porém, o presidente da Companhia reclamou da falta de pessoal com a saída de mais de 300 profissionais com o plano de demissão incentivada. “Porém, tivemos a reposição de apenas 160 profissionais”, reclamou. Barbieri ainda ressaltou o pleito por recursos na ordem de R$ 600 mil para a conclusão de outros sistemas eletrônicos.

“Lutamos para acabar com abates clandestinos e diminuir a produção de carne ilegal. Nossos sistemas são um exemplo para o país, segundo o Ministério da Agricultura”, frisou. Outra novidade na Cidasc é a inspeção da carne após a industrialização, em seu formato final para o consumidor. O presidente da Companhia ressalta que a mesma qualidade antes do abate deve permanecer para o consumidor.

O presidente da Comissão de Agricultura e Política Rural, deputado Moacir Sopelsa (PMDB), ressaltou a importância do órgão para as conquistas de mercado dos produtores de Santa Catarina e seus reflexos na economia do estado. “Sofremos muitos anos para conquistarmos alguns mercados. E precisamos de qualidade para mantê-los”, ressaltou.

Voltar