Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
11:30 Nossa Saúde
11:30 Nossa Saúde
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
11/09/2019 - 12h37min

Audiência pública debaterá atendimento a quem tem fissura labiopalatina

Imprimir Enviar
Comissão aprovou audiência sobre atendimento a pessoas com fissura labiopalatina e PL que prevê acomodação separada para mães de natimorto
FOTO: Bruno Collaço / AGÊNCIA AL

As condições atuais de tratamento em Santa Catarina de pessoas com fissura labiopalatina serão debatidas em uma audiência pública no dia 1º de outubro. A realização do evento foi aprovada na manhã desta quarta-feira (11) pela Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa.

Autor da iniciativa, o deputado Neodi Saretta (PT), que preside o colegiado, explicou que hoje o tratamento acontece basicamente em um hospital na cidade de Joinville. “Mas existe a necessidade de aumento do número de consultas e de atendimentos. Há, inclusive, uma angústia das entidades que atuam na defesa dos interesses destas pessoas.” A ideia, segundo o parlamentar, é fazer a audiência para verificar quais os serviços, o fluxo e o aporte financeiro destinado para a população que precisa do serviço.

Projeto aprovado
Os integrantes da Comissão de Saúde aprovaram também o parecer do deputado Dr. Vicente Caropreso (PSDB) ao Projeto de Lei 79/2019, de autoria do deputado Luiz Fernando Vampiro (MDB). A matéria, informou o relator, prevê a obrigatoriedade de oferecimento de acomodação separada para as mães de natimorto e as mães com óbito fetal na rede pública de saúde do estado.

“Fiz uma consulta com profissionais das áreas de psiquiatria e neonatologia. Todos foram unânimes sobre a importância desta medida”, comentou. O projeto, citou Caropreso, tem como objetivo amenizar a dor das mães que vivem essa triste experiência. Mantê-las separadas de outras mães que conseguiram dar à luz é uma forma de evitar que o trauma aumente ainda mais. O deputado José Milton Scheffer (PP) avaliou que a iniciativa é louvável e de interesse público, além de ir ao encontro da política nacional de humanização dos partos. O texto agora vai para a Comissão de Direitos Humanos, em caráter terminativo.

Alessandro Bonassoli
Agência AL

Saiba Mais

Voltar