Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Serviço temporariamente em manutenção.
Acompanhe a programação da TVAL pelo Youtube.


Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
26/11/2019 - 16h19min

Encontro debate as vidas das mulheres e as políticas públicas

Imprimir Enviar

A bancada feminina da Assembleia Legislativa promove nesta quarta-feira (27), a partir das 18h, no Plenarinho Deputado Paulo Stuart Wright, o encontro “As vidas das mulheres e as políticas públicas”, como parte da campanha de 16 dias de ativismo no combate à violência contra a mulher. O objetivo do evento é que diferentes representações de populações de mulheres exponham as reivindicações necessárias para a construção de uma agenda de políticas públicas.

A atividade é resultado da parceria do Instituto de Estudos de Gênero (IEG) da UFSC, por meio da Comissão de Movimentos Sociais do Fazendo Gênero 12, com a bancada feminina da Assembleia Legislativa. A abertura do evento será realizada pelo Sarau “Vozes Negras”, com poesias alusivas às questões raciais e das mulheres. Também será realizado o pré-lançamento do Fazendo Gênero 12, que acontecerá em julho de 2020 na UFSC.

A campanha anual e internacional dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher iniciou nesta segunda-feira (25) e segue até o dia 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos. Criada por ativistas no Instituto de Liderança Global das Mulheres, em 1991, a campanha é coordenada pelo Centro para Liderança Global das Mulheres, buscando o engajamento na prevenção e na eliminação da violência contra a mulher.

Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), 53.726 mulheres foram estupradas no Brasil em 2018. De acordo com o mesmo estudo, 180 mulheres são estupradas por dia no país, ou seja, uma mulher é estuprada a cada oito minutos e, além disso, ressalta-se que 71,8% das vítimas de estupro eram menores de 18 anos e 53,6% eram menores de 13 anos.

Ney Bueno
Agência AL

Voltar