Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
08/03/2018 - 11h36min

Seminário aborda gestão e captação de recursos para entidades sociais

Imprimir Enviar

FOTO: Eduardo G. de Oliveira/Agência AL

A Assembleia Legislativa, por meio da Escola do Legislativo Deputado Lício Mauro da Silveira e da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência, promoveu na manhã desta quinta-feira (8) um seminário voltado à gestão e captação de recursos. O evento aconteceu no Palácio Barriga Verde, em Florianópolis, e reuniu gestores de Organizações Não Governamentais (Ongs), estudantes e profissionais que atuam na área da assistência social.

O objetivo do curso, conforme o presidente da comissão, deputado Ricardo Guidi (PSD), é divulgar as fontes de recursos existentes para financiamento de projetos sociais voltados à pessoa com deficiência e a forma como o processo de captação deve ser desenvolvido.  “É importante que as pessoas responsáveis por projetos sociais saibam como achar os caminhos junto aos órgãos competentes para poderem captar os recursos necessários para suas execuções. E este é um dos trabalhos da nossa comissão, fazer essa ligação entre as entidades e o poder público afim de que se consiga cada vez mais uma melhor qualidade de atendimento e de ensino às pessoas com deficiência.”

O seminário teve como foco uma palestra realizada pela publicitária Fernanda Dearo, que já atuou como captadora de recursos da Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e atualmente segue na atividade por meio de sua própria agência.

Em sua fala, Fernanda ressaltou a necessidade de conduzir a captação de recursos do modo mais planejado e profissional possível. Para tanto, disse, a organização deve realizar um planejamento estratégico, contendo informações como a forma de utilização do dinheiro arrecadado, quantas pessoas serão atendidas, por quanto tempo, e como se dará a prestação de contas. “Muitas pessoas acham que captar recursos é passar o chapéu, é pedir dinheiro, mas não é isso. Na verdade, o processo funciona como um negócio, em que quem está colocando dinheiro espera algum tipo de retorno sobre a aplicação do mesmo. Então a pessoa que encarar a atividade desta forma irá trilhar um caminho melhor e terá mais chances de êxito.”

Capacitação das Apaes
Apoiadora do seminário, a Federação das Associações de Pais e Alunos de Excepcionais de Santa Catarina (Feapaes-SC) aproveitou as informações repassadas por Fernanda para capacitar as gestoras financeiras das cerca de  200 entidades que representa.

De acordo com a presidente da federação, Lorena Starke Schmidt, apesar de contarem com a solidariedade das comunidades em que estão inseridas e de receberem repasses de entes públicos em âmbito municipal, estadual e federal, as Apaes geralmente não conseguem reunir recursos suficientes para cobrir suas necessidades.

Diante do quadro, disse, a própria manutenção dos serviços prestados pelas Apaes depende da busca de novas fontes de recursos e da profissionalização do processo de captação. “As Apaes sabem que devem procurar, pois nada vem por acaso. Tem que ir atrás mesmo. Por isto estamos trazendo esse curso, para que nossas diretoras e assistentes sociais saibam o caminho que devem tomar para conseguirem mais verbas para manter o atendimento.”

Alexandre Back
Agência AL

Voltar