Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
09:05 Sessão Ordinária
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
11/04/2018 - 16h52min

Valduga quer reativação da escola Guarani no Toldo Chimbangue, em Chapecó

Imprimir Enviar

Deputado quer reativação da Escola Indígena Mbya Guarani Karaí Tupã do Araça’í, no Toldo Chimbangue. Com a desativação da escola, os guarani foram obrigados a estudar junto com os kaingang, gerando um processo de descaracterização cultural e conflitos interétnicos.

O deputado Cesar Valduga (PCdoB) apresentou indicação ao Governo do Estado cobrando urgentes providências visando à estruturação e o retorno do funcionamento da Escola Indígena de Ensino Fundamental Mbya Guarani Karaí Tupã do Araça’í, localizada na terra indígena Toldo Chimbangue, em Chapecó.

A comunidade Guarani da terra indígena Araçá'i, localizada nos municípios de Saudades e Cunha Porã, após sofrerem violenta expulsão, no ano 2000 e posteriormente proibidos de retornar por decisão judicial, vivem, desde 2001, sob oito hectares da Terra Indígena Toldo Chimbangue, do Povo Kaingang, no município de Chapecó, o que gera conflitos interétnicos.

O espaço provisório e reduzido não permite o cultivo de alimentos, tornando dramática as condições de vida dos guarani, aumentando a dependência da já escassa assistência social do Estado.

A inatividade da escola obriga que as crianças guaranis tenham de frequentar escola com ensino voltado ao Povo Kaingang, sofrendo um processo de aculturação, ferindo a multiculturalidade dos povos indígenas, que possuem características culturais, tradicionais, línguas e crenças completamente distintas.

Para o parlamentar, esta situação contraria o direito a educação indígena diferenciada. “É necessário valorizar as línguas maternas e processos próprios de aprendizagem, recuperando as memórias históricas e afirmando as identidades étnicas, que são conquistas das comunidades indígenas, asseguradas na Constituição Federal, nas diretrizes curriculares nacional, na Proposta Curricular e normatização da educação indígena em Santa Catarina”, explica Valduga.

A escola guarani necessita com urgência de estrutura: cozinha equipada, merendeira, sala de aula, professores, biblioteca, banheiro, faxineira, demais materiais e recursos necessários para o normal funcionamento da EIEF Karaí Tupã do Araça'í.

Acompanhe César Valduga


César Valduga
Voltar