Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Ao vivo

Serviço temporariamente em manutenção.
Acompanhe a programação da TVAL pelo Youtube.


Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
20/10/2021 - 15h44min

Sargento Lima quer proibir exigência do passaporte de vacinação em SC

Imprimir Enviar
Deputado Sargento Lima
FOTO: Rodolfo Espínola/Agência AL

O deputado Sargento Lima (PL) apresentou o Projeto de Lei 393/2021, que disciplina a apresentação do cartão de vacinação contra a Covid-19 para acesso a locais públicos e privados de Santa Catarina. Pela proposta, será proibida a exigência do passaporte para os dois setores.

Sargento Lima pretende proibir a exigência do comprovante para atendimento médico ou ambulatorial, inclusive cirurgias eletivas; nos serviços de saúde pública ou privada; proíbe penalidades a servidores públicos não vacinados; e quer proibir a exigência de comprovante de vacina nas escolas pública e privadas, inclusive nos cursos de idiomas.

Para o deputado, cabe às famílias decidirem se vacinarão seus filhos menores de idade contra a Covid-19. Além disso, segundo Sargento Lima, caberá aos médicos notificarem à Secretaria de Estado da Saúde todos os casos de reação à primeira dose da vacina, atestando, se for necessário, que a pessoa não pode tomar a segunda dose.

Se o projeto ficar parado nas gavetas dos deputados, como ocorre com outras propostas dele, Lima pede que o catarinense faça valer o seu direito. “Se você for impedido de entrar numa loja, diga isso nas redes sociais; e se não puder entrar no seu clube, cancele o título. Quem manda é o consumidor, manda quem paga a conta”, argumentou o parlamentar.

O projeto prevê ainda que as equipes de saúde envolvidas na aplicação de vacinas contra a Covid deverão ser conscientizadas dos sintomas apresentados por pessoas alérgicas, intolerantes em decorrência da vacina e das medidas a serem tomadas em caso de emergência.

Sargento Lima justifica a proposta argumentando que o cidadão catarinense deve exercer o seu direito constitucional de ir e vir. “Não sou contrário à vacinação, porém ninguém deve ser submetido a um procedimento contra a sua vontade”, enfatiza o parlamentar.

Acompanhe Sargento Lima


Sargento Lima
Voltar