Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
00:15 Sessão Ordinária
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
09/01/2018 - 14h43min

Saretta propõe comissão para resolver impasse em hospital de Araranguá

Imprimir Enviar

A situação envolvendo a rescisão do Contrato de Gestão do Hospital Regional de Araranguá entre a Associação Paulista Para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM) e a Secretaria de Estado da Saúde, e a posterior contratação do Instituto Desenvolvimento, Ensino e Assistência à Saúde (IDEAS) como gestor da unidade hospitalar tem causado transtornos para a população do Sul do Estado.

Diante disso, nesta terça-feira (9) o presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa (Alesc), deputado Neodi Saretta (PT), encaminhou ofício solicitando a criação emergencial de uma Comissão de Negociação constituída por representantes da Secretaria de Saúde do Estado, do SindiSaúde de Criciúma e Região, da Agência de Desenvolvimento Regional de Araranguá, do IDEAS, da Comissão de Saúde da Alesc e demais entidades que possam se somar a solução do impasse existente.

No documento, protocolado nesta tarde, Saretta relata a situação da unidade e destaca que no último dia 7 de janeiro foi realizado em Araranguá um ato em defesa dos servidores reunindo mais de mil pessoas representativas de diversas entidades da sociedade civil. A mobilização teve por objetivo exigir das autoridades uma solução sobre o impasse existente entre os novos gestores do Hospital Regional de Araranguá e seus trabalhadores. O hospital atende pacientes de toda a região.

O hospital está em greve desde dezembro de 2017 e os trabalhadores protestam pelas atuais condições do local de trabalho, exigem que a sua situação regularizada bem como a manutenção dos atuais postos de trabalhos e o pagamento dos salários e rescisões trabalhistas. O próprio IDEAS informou ao SindiSaúde de Criciúma e Região à disposição de reduzir em 50% do efetivo de trabalhadores passando dos 540 trabalhadores existentes para 270 ou 300 no máximo precarizando ainda mais os serviços prestados a população catarinense.

Além disso, os profissionais querem a garantia dos direitos bem como a participação do Governo do Estado na mesa de negociações junto ao novo gestor do hospital, o Instituto Desenvolvimento, Ensino e Assistência à Saúde que se nega a negociar sem a presença do Estado.

Agora Saretta aguarda uma posição do secretário estadual e continua acompanhando a situação envolvendo a unidade hospitalar.

Acompanhe Neodi Saretta


Neodi Saretta
Voltar