Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
08:45 Fala Deputado
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
07/03/2018 - 17h48min

Projeto de Lei do Deputado Berlanda cria Cadastro de Doadores de Órgãos em SC

Imprimir Enviar

O deputado estadual Nilso Berlanda (PR) protocolou nessa terça-feira (06/03), Projeto de Lei que cria o Cadastro Estadual de Doadores de Órgãos - CEDO. O projeto 0051.1/2018 tem como objetivo cadastrar e registrar catarinenses que desejam doar seus órgãos em vida ou pós-morte.

Santa Catarina lidera o ranking nacional de doações de órgãos para transplantes, com um sistema que é referência nacional e internacional. São 40,8 doadores por milhão de habitantes, quando a média nacional é de 16,6 doadores por milhão de habitantes, segundo a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (Abto). No ano de 2017 o Estado registrou taxa recorde em doações com 282 doadores de múltiplos órgãos, três vezes mais que a média brasileira comparando ao número de habitantes (dados da SC Transplantes).

Para o deputado Berlanda, a criação do cadastro vai contribuir para o aumento do número de transplantes, além de suprir uma lacuna na legislação, que não traz nenhuma possibilidade de declaração formal acerca da doação de órgãos.

"No cadastro ficará expressa a vontade do doador, que será respeitada e cumprida com a doação de seus órgãos, podendo assim salvar muitas vidas. O cadastro também acaba por amenizar a dor dos familiares que não precisarão decidir sobre essa questão num momento tão delicado que é a perda de um ente querido”, explica o deputado.

Outro ponto destacado por Berlanda é na hipótese de uma emergência, em que o Estado não consiga contato com a família do paciente, ou que o mesmo não possa se manifestar em função do seu quadro de saúde, usar o cadastro para saber se o paciente é doador e autoriza os procedimentos.

"Em certos momentos, a agilidade é fundamental para salvar vidas. Nesse sentido, o cadastro servirá como um testamento, onde o bem maior que se deixa é a possibilidade para que outras pessoas possam viver”, finaliza o deputado Berlanda.

O cadastro deverá ser realizado em site estatal, com sigilo de dados cadastrais e acesso autorizado apenas para outros órgãos de saúde do Estado. O site permitirá aos usuários a consulta e emissão de certificado que comprove a declaração de doador de órgãos.

Voltar