Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina Agência AL

Facebook Flickr Twitter Youtube Instagram

Pesquisar

+ Filtros de busca

 
Assistir
18:45
Ao vivo

Revista Digital

Cadastro

Mantenha-se informado. Faça aqui o seu cadastro.

Whatsapp

Cadastre-se para receber notícias da Assembleia Legislativa no seu celular.

Filtrar por deputado / bancada
Aumentar Fonte / Diminuir Fonte
09/05/2018 - 14h31min

PL da deputada Luciane garante 30% de mulheres na PM de SC

Imprimir Enviar
Deputada Luciane Carminatti

"Nossa defesa é pela igualdade. Mas enquanto não quebramos a resistência, queremos triplicar o número de mulheres na segurança pública"

Na história das instituições militares de Santa Catarina, até 2017, os concursos públicos previam no máximo 6% das vagas para mulheres na carreira militar. Em cada 100 novas vagas abertas, apenas 6 mulheres poderiam ser convocadas. Embora no ano passado a lei tenha alterado a regra para no mínimo 10%, a disparidade ainda é marca no ingresso para a Polícia Militar. Esta é a realidade que a deputada estadual Luciane Carminatti quer transformar.

A parlamentar protocolou na Assembleia Legislativa proposta que altera a Lei Complementar nº 587 e amplia as vagas nos concursos da Polícia Militar em Santa Catarina. O projeto de lei 09.5/2018 garante no mínimo 30% de mulheres para os quadros de oficiais e de praças.

"No horizonte pela luta da igualdade entre homens e mulheres, temos muitos desafios. Neste debate da carreira militar, o correto seria: passou no concurso, tem o direito de assumir. Mas esta condição enfrenta forte resistência. Triplicar o número de vagas que hoje é garantido por lei trata-se de uma política compensatória momentânea, até não termos uma política estadual que valorize de forma igual mulheres e homens", afirma Luciane.

Segundo a deputada, é preciso avançar degrau a degrau neste universo ainda dominado pelo gênero masculino. "No último concurso, mais mulheres foram aprovadas nas mesmas provas teóricas e práticas, mas não puderam assumir porque uma lei as impedia. É inaceitável que candidatas aprovadas por suas competências sejam excluídas por serem mulheres", enfatiza.

No Brasil, estados como São Paulo já excluíram a cota de mulheres para ingresso na PM. Muitas procuradorias do Ministério Público e também especialistas estão questionando o limite máximo de vagas, considerando a prática discriminatória.

"Todos os dias a mulher precisa provar que é competente, em todos os setores onde atua. Na política, embora a cota é de pelo menos 30% de candidatas, defendemos a paridade, mas sabemos o quanto esta luta será árdua. É por isso que fazemos um apelo à sociedade para defender maior participação das mulheres em todos os espaços, inclusive na carreira militar. Foi aprovada, assume como policial militar. Precisamos vencer o preconceito e valorizar a competência das mulheres", defende.

 

 

ESTER KOCH DA VEIGA
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO
048 9911-0347
WhatsApp 049 9177 1112

Acompanhe Luciane Carminatti


Luciane Carminatti
Voltar